Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Vamos passear o pai

  • 333

Natureza. Os Passadiços do Paiva são o destino perfeito para pais e filhos aventureiros

No campo ou na cidade, amanhã é dia de mimar o pai. No dealbar da primavera, é tempo de celebrar ao ar livre a estação do renascimento ao lado de quem nos deu a vida. Sugerimos uma escapadela a parques urbanos, uma jornada de aventura entre trilhos no Gerês ou uma vibrante escalada aos Passadiços do Paiva

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

O despertar do Tarzan

Na margem esquerda do Rio Paiva, os 8 quilómetros dos altos e sinuosos passadiços do Geoparque de Arouca são ao longo de quase 3 horas a escapada ideal para pais e filhos (até aos 12 anos apenas sob responsabilidade familiar) aventureiros. Debruçados sobre o rio mais selvagem do país, os passadiços de madeira inaugurados em junho de 2015 podem ser calcorreados por conta própria ou em visitas guiadas, sempre suspensos sobre falésias ou pequenos desfiladeiros, entre denso arvoredo. Ao troço inicial, com 645 metros, seguem-se 300 metros de terra batida até retomar os empoleirados corredores de madeira. A meio do percurso, surge a praia do Vau e o convite para um mergulho para quem não for friorento. A alternativa é um salto ao bar, antes de atravessar a ponte suspensa para a outra margem e contornar a garganta do Paiva, cobiçada pelos fãs de rafting. A parte difícil são os quase 500 degraus em lances diagonais que conduzem a um miradouro a cerca de 300 metros de altitude. A paisagem vale o esforço.

PASSADIÇOS DO PAIVA
Geoparque de Arouca. Todos os dias das 9h às 17h. Entrada 1 euro (www.passadicosdopaiva.pt). Ingresso no local 2 euros (Espiunca ou Areinho)

Pelos trilhos do Gerês

FOTO VASCO CELIO/STILLS 2013

Amanhã e domingo, a Associação Gerês Viver Turismo organiza cinco caminhadas guiadas por cinco trilhos ancestrais, em Terras do Bouro. Cada um com características diferentes, com percursos a rondar os 7,5 quilómetros, os trilhos circulares são de grau de dificuldade fácil, cruzando património cultural e beleza paisagística e culminam com a degustação de um típico Caldo no Pote. A 4ª edição do Festival de Caminhadas no Gerês integra cinco trilhos à escolha, a começar pelo trilho Santa Isabel do Monte, embrenhado entre campos de pastagem de gado, onde os garranos (cavalos selvagens) pastam em liberdade, vigilantes à presença de lobos. No trilho de Rebordochão, as maiores atrações são os moinhos de água, espigueiros, sequeiras e o sistema de regra tradicional. No Formigueiro, o postal ilustrado são as soberbas vistas sobre a barragem da Caniçada e S. Bento da Porta Aberta. O trilho Piorneiro vale pela visita aos moinhos típicos do Minho ainda em funcionamento, e no Ventoselo aproveite para carregar baterias com a vista panorâmica sobre o vale do rio Cávado e Abadia. Se o pai for um apreciador da boa mesa portuguesa, convença-o a desviar-se até um dos 19 restaurantes aderentes ao evento Fim-de-Semana Gastronómico de terras de Bouro.

GERÊS VIVER TURISMO
Terras de Bouro. Sábado às 15h; Domingo 9h30, inscrição €5,60

O campo na cidade

RUI DUARTE SILVA

Situado em Oliveira do Douro, a cinco minutos de carro do centro de Gaia, o Parque da Lavandeira, outrora quinta agrícola, é agora o parque da cidade dos moradores da margem sul do Douro. Neste paraíso de trilhos pedestres, jardins temáticos e recreios com escorregas, baloiços e cordas para trepar, multiplicam-se os recantos para merendar, ler e apreciar a flora. Se o tempo estiver de feição, leve um cesto com mantimentos, que não faltam mesas para estender a toalha.

PARQUE DA LAVANDEIRA
Oliveira do Douro, Vila Nova de Gaia. Todos os dias das 10 às 19h

Esplendor entre a relva e o mar

Desenhado por Sidónio Pardal, o Parque da Cidade é o maior pulmão urbano do país, o único da Europa que se estende até ao mar. Entre a Avenida da Boavista e a Circunvalação, são 83 hectares de relvados de sol e sombra, 10 quilómetros de veredas para caminhar, pedalar, jogar à bola com o pai e passear os animais de estimação. À sombra dos altos pinheiros, dos metrosideros e plátanos, aninhe-se para uma pausa de conversa ou merendar em família.

PARQUE DA CIDADE
Av. de Boavista, Porto. Todos os dias das 8h às 22h. Gratuito

Segredo bem guardado

É uma lição de fauna e de flora — e ainda um convite a um piquenique na relva. No Parque Botânico do Monteiro-Mor, uma área de 11 hectares escondida por trás do Museu do Traje, não se ouve um único som da cidade, apenas o piar dos pássaros e o som da água. Plantado pelo “Monteiro-Mor”, o 3º marquês de Angeja, em 1700, o jardim possui preciosidades botânicas dos quatro cantos do mundo. Há lagos com patos e até uma pequena cascata. Duas grandes zonas relvadas com árvores estão reservadas para os “piqueniques à antiga”. É só estender a toalha, sentar-se na relva e desfrutar. Como num quadro de Manet...

PARQUE DE MONTEIRO-MOR
Calçada de Carriche, Lisboa. Das 10h às 18h. Fecha à segunda e terça de manhã. Entrada 3 euros

NA ROTA DAS ESTRELAS

Cinco chefes com pronúncia do norte

A segunda etapa da Rota das Estrelas tem o seu epicentro, hoje, no The Yeatman, o hotel vínico debruçado sobre o Douro que tem por anfitrião o chefe Ricardo Costa. Esta noite, a cozinha do chefe que há oito anos exibe a estrela Michelin reúne outros quatro chefes, todos com pronúncia do norte: Pedro Lemos, do Restaurante Pedro Lemos e estrelado em 2014, Vítor Matos, ex-Casa da Calçada e que trocou a estrela pela criação de raiz do Antiqvvum, no Porto, Rui Paula, do famoso DOP e da renovada Casa de Chá da Boa Nova, riscada por Siza, e o chefe pasteleiro Francisco Gomes, da Confeitaria Colonial. O jantar de degustação ( 150 euros) para 50 pessoas tem por missão celebrar a gastronomia nortenha através de uma reinterpretação moderna de receitas tradicionais. A harmonização vínica tem a mão da enóloga Beatriz Machado. Vinho e gastronomia que “merecem por si só uma deslocação ao norte de Portugal”, afiança o chefe-mor do evento.

The Yeatman Vila Nova de Gaia

Corrida do Pai

Domingo, as ruas da Invicta voltam a fervilhar com a populosa 13ª Corrida Dia do Pai, competição com partida e chegada no Queimódromo. A prova organizada pela Run Porto e apoiada pela Porto Lazer faz-se a dois compassos de tempo: uma corrida de 10 km para maiores de 18 anos e caminhada de sete km. O tiro de partida é às 10h, a chegada ao sabor da energia de cada um. No Queimódromo, haverá uma zona de rastreios médicos, praça de alimentação e animação para os mais miúdos.

geral@runporto.com