Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Quer deixar de fumar? Seja radical, aconselha novo estudo

Rui Duarte Silva

Estudo britânico concluiu que quem deixa de fumar de repente tem mais probabilidades de manter a decisão do que quem o faz de forma gradual

A melhor solução para deixar de fumar é mesmo desistir de uma vez, sem concessões ou desculpas. Pelo menos esta é a conclusão de um novo estudo desenvolvido pela associação British Heart Foundation e divulgado esta terça-feira pela BBC.

Para chegar a esta conclusão, os investigadores dividiram os cerca de 700 voluntários britânicos em dois grupos: um deles deveria deixar de fumar de forma abrupta, e o outro faria o mesmo mas de forma gradual. Todos os participantes tiveram durante este período acesso gratuito a aconselhamento, terapia de apoio e adesivos de nicotina.

Os resultados são claros: meio ano após o início da experiência, 22% dos antigos fumadores que deixaram o vício de forma abrupta continuam sem fumar. No outro grupo, apenas 15% continuam a resistir à tentação.

O serviço de saúde pública no Reino Unido também contribuiu para este estudo com algumas dicas. Quem quiser deixar de fumar deve escolher uma data conveniente para começar e não voltar atrás, nem sequer para fumar apenas um aparentemente inocente cigarro. O serviço aconselha: "Sempre que se sentir em dificuldades diga para si próprio 'não vou fumar nem um bocadinho' e resista até essa vontade passar".

A investigadora que liderou o estudo, Nicola Lindson-Hawley, da Universidade de Oxford, explica à BBC que "a diferença entre as tentativas de deixar de fumar acentua-se porque as pessoas têm dificuldades em diminuir o número de cigarros que fumam. Isso afigura-se como uma tarefa extra", pelo que ser radical pode trazer melhores resultados.

  • Portugueses estão a fumar menos

    Direção-Geral da Saúde revela que o número de ex-fumadores aumentou seis pontos percentuais, para 21,7%. Estimativas apontam para mais de 12 mil mortes por consumo de tabaco em 2013