Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Hospital da Régua continua encerrado devido à legionela

  • 333

Legionella, a bactéria que assustou Portugal

Nenhum dos pacientes hospitalizados que foram transferidos para Chaves apresentou sintomas da bactéria. Ainda não há data prevista para a reabertura das instalações hospitalares

Já passaram oito dias desde que o Hospital D. Luiz I, situado no Peso da Régua, foi encerrado, devido à deteção da bactéria da legionela nas condutas hospitalares. Para já, ainda não há data para a reabertura.

"Estamos a tentar assegurar todas as condições de segurança, antes de voltar a transferir os pacientes para a unidade hospitar", diz Pimenta Marinho, presidente do conselho diretivo da Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, falando ao Expresso. Até lá, as instalações vão continuar encerradas, de forma a "assegurar a segurança de pacientes e profissionais de saúde." "Estamos a fazer análises e contra-análises", adianta.

Dos doze pacientes que estavam internados no hospital da Régua – ou seja, os mais vulneráveis à bactéria – e que foram transferidos para Chaves, nenhum apresenta sintomas da doença, garante fonte da ARS Norte ao Expresso.

Entretanto, estes pacientes já foram transferidos novamente: cinco para o hospital de Lamego, quatro para Vila Real e três para unidades de Cuidados Continuados – em Tarouca, Tabuaço e Murça. O objetivo foi a colocação destes doentes em unidades mais próximas da sua área de residência.

Já os profissionais de saúde deslocados para Chaves vão ser transferidos, na próxima segunda-feira, para Vila Real e Lamego.

O surto de legionela no Hospital D. Luiz I foi revelado no dia 2 de março, ao final do dia, pela Câmara do Peso da Régua. Esta unidade de saúde faz parte da rede do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD), que também inclui os hospitais de Vila Real, Lamego e Chaves.

A doença do legionário é uma pneumonia que afeta preferencialmente pessoas idosas, fumadoras, imunodeprimidas ou pessoas com doenças crónicas. A pneumonia provocada pela bactéria pode, em alguns casos, provocar a morte. Em 2014, um surto da doença detetado no concelho de Vila Franca de Xira provocou 14 mortes.