Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Ryanair retoma rota Porto/Malpensa cancelada pela TAP

  • 333

IMRE FOLDI / EPA

Companhia low cost vai operar quatro voos por semana para Malpensa a partir de setembro, rota que será descontinuada pela TAP no final de março. Bilhetes à venda esta sexta-feira começam abaixo dos €30

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

O diretor de rotas da companhia irlandesa anunciou, esta quinta-feira, após uma reunião com Rui Moreira, na Câmara do Porto, que a Ryanair vai assegurar a partir de setembro a ligação a Milão/Malpensa, uma das quatro rotas abandonadas pela TAP no fim do mês de março no Aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Niall O'Connor avançou que da operação irão constar quatro voos semanais, além ligação já existente entre Porto e Bergamo, elevando para 11 o número de ligações para Milão. Das rotas descontinuadas pela TAP no Porto, Rui Moreira apontou a ligação a Malpensa como prioritária para a a economia nacional, em especial para os sectores do têxtil e calçado sediados maioritariamente no norte do país.

“Sempre acreditamos que havia mercado. Lançámos o desafio à Ryanair e pedimos para fazerem as contas e olharem para esta oportunidade”, referiu esta quinta-feira o presidente da Câmara do Porto, concluindo que se comprova que a Ryanair é “a companhia aéra do Porto”, neste momento. “Fizerem as contas e, ao contrário do que alega a TAP, considerou que seria uma oportunidade lucrativa”, referiu ainda o autarca.

Niall O'Connor alegou que são companhias diferentes e sustenta que para a Ryanair o Aeroporto do Porto é um bom mercado, tal como a rota Malpensa, “que faz todo o sentido” na estratégia de novas rotas.

Além das rotas já anunciadas para o calendário de inverno em setembro e que inclui ligações a Varsóvia, Dublin, Liverpool e Valência, estão previstos voos adicionais para Madrid, Barcelona, Bruxelas Z e Bruxelas C.

Os bilhetes para Malpensa vão ser colocados à venda a partir desta sexta-feira e vão custar 26,99 euros, cerca de 10% do preço praticado pela TAP, segundo o “Jornal de Notícias”.