Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Ex-presidente do Benfica Manuel Damásio detido no caso que envolve José Veiga

  • 333

Polícia Judiciária deteve empresário por indícios de branqueamento de capitais e tráfico de influências, num esquema que tem como protagonista o ex-agente de futebol José Veiga

ana baião

Um mês depois de ter detido o ex-agente de futebol José Veiga por indícios de corrupção em contratos obtidos no Congo Brazaville com o governo do presidente Sassou Nguesso, a Polícia Judiciária fez uma nova detenção esta quinta-feira. Sem revelar o nome do detido, uma nota divulgada pela PJ dá conta de que se trata de “um homem de 75 anos, empresário do sector imobiliário” e que a detenção, feita no âmbito da Operação Rota do Atlântico, foi justificada pela existência de indícios da “prática dos crimes de branqueamento de capitais e tráfico de influências”. O Expresso confirmou que o arguido em causa é Manuel Damásio, o ex-presidente do Benfica. Está previsto que o empresário seja interrogado ainda esta quinta-feira no Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa.

Dono e administrador de várias empresas do sector imobiliário, Manuel Damásio é o quinto arguido a ser constituído pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) no caso que tem no epicentro José Veiga, atualmente em prisão preventiva, e o seu sócio de negócios no Congo, Paulo Santana Lopes, irmão do ex-primeiro-ministro Pedro Santana Lopes. Além disso, o DCIAP constituiu como arguida uma advogada, Maria Castro Barbosa, que é também dona e administradora de várias empresas de mediação imobiliária, sobretudo na área do imobiliário de luxo. Há ainda um outro arguido cuja identidade não é publicamente conhecida.

De acordo com a tese do Ministério Público, José Veiga foi canalizando ao longo dos últimos anos muitos milhões de euros, alegadamente obtidos através de esquemas de corrupção no Congo, para investimentos imobiliários feitos em Portugal em nome de companhias offshore.

A investigação Operação Rota do Atlântico começou no final de 2014 e está a ser conduzida por Susana Figueiredo, a procurador do DCIAP responsável pela Operação Labirinto, o caso de corrupção ligado à atribuição de vistos gold e que levou o Ministério Público a acusar Miguel Macedo, ex-ministro da Administração Interna do governo de Passos Coelho; António Figueiredo, ex-presidente do Instituto de Registos e do Notariado (IRN), e Manuel Jarmela Palos, ex-diretor-geral do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).