Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Myrtilis é a segunda lince morta no Alentejo

  • 333

Ao fim de 23 dias em liberdade, a fêmea de lince ibérico foi encontrada morta na região de Mértola

Carla Tomás

Carla Tomás

Jornalista

Myrtilis tinha pouco mais de um ano de idade e deambulava pelo matagal alentejano desde 8 de fevereiro. Fazia parte da população de linces ibéricos reintroduzidos na natureza no âmbito do projeto ibérico de conservação da espécie.

Foi encontrada morta, esta terça-feira, por uma equipa de campo do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) numa zona próxima do local onde fora solta, nos terrenos junto à Herdade das Romeiras, no concelho de Mértola.

Ainda não se sabe qual a causa de morte, apenas que não se tratou de atropelamento, alvo de tiro ou de armadilha ilegal, pois não foram encontrados quaisquer vestígios que indicassem nesse sentido. A necropsia a que será submetida na Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa, para onde seguiu o cadáver esta quarta-feira, irá apurar o que aconteceu.

O Expresso sabe que a GNR já avançou para o terreno com uma brigada cinotécnica de agentes com cães especializados na deteção de venenos.

Esta é a segunda baixa entre os linces libertados na região de Mértola desde finais de 2014. Há cerca de um ano, uma outra fêmea de lince-ibérico, Kayakweru, também foi encontrada morta cerca de 12 dias após ser libertada em campo aberto. A necrópsia acabou por revelar que fora envenenada. O caso está a ser investigado pelo Ministério Público de Évora e não há ainda qualquer acusação.

Na região do Parque Natural do Vale do Guadiana continuam em liberdade 15 exemplares desta espécie de felino, considerada a mais ameaçada do mundo. A eles devem juntar-se pelo menos mais dois exemplares ainda este ano.

Além das duas fêmeas do projeto de reintrodução em meio natural no Alentejo, morreu um terceiro lince em solo português. Chamava-se Hongo, nascera e fora libertado em Espanha, e deambulou por cá entre 2013 e outubro de 2015. Foi encontrado atropelado na A23, próximo de Vila Nova da Barquinha.

  • Lince-ibérico: um ano, nove sobreviventes e uma baixa

    O programa de reintrodução do lince ibérico em meio natural celebrou esta semana um ano. Nos montes alentejanos continuam a deambular nove dos 10 felinos ali libertados. Até agora, o projeto "está a ser um sucesso", garante o ICNF. Em janeiro a população nacional do felino em risco de extinção será aumentada com a introdução de mais seis exemplares