Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Grupo das casas de câmbios ilegais tem mais uma baixa: uma mulher de 41 anos

  • 333

Polícia Judiciária deteve o sexto elemento do esquema de branqueamento de capitais entre Portugal e o Brasil. O principal suspeito está em prisão preventiva desde o ano passado

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

O grupo que branqueava dinheiro através das empresas de câmbios MoneyOne e Transfex tem mais uma baixa. É uma mulher do Porto, que foi detida pela Polícia Judiciária pelos crimes de associação criminosa, branqueamento, fraude fiscal qualificada, falsificação de documentos e atividade ilícita de receção de depósitos e outros fundos reembolsáveis.

No total, foram já detidas seis pessoas deste grupo.

Segundo o comunicado da PJ, a mulher de 41 anos, de nacionalidade portuguesa, "é suspeita de integrar a mesma estrutura criminosa dedicada ao branqueamento de capitais com origem no crime organizado internacional, fraude fiscal qualificada, falsificação de documentos, corrupção ativa e passiva, e atividade ilícita de receção de depósitos e outros fundos reembolsáveis".

Em abril, uma investigação da Judiciária levou à detenção de cinco pessoas ligadas à MoneyOne e Transfex, empresas que suspensas pelo Banco de Portugal (BdP) por suspeitas de branqueamento de capitais. Os detidos eram gerentes destas sociedades de pagamentos e câmbios, ambas com sede em Lisboa. A PJ revela ainda que o suspeito principal do grupo encontra-se em prisão preventiva.

Desde o início da investigação foram já apreendidos à organização cerca de 2.3 milhões de euros em dinheiro.

A mulher do Porto foi presente a Tribunal, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação de obrigação de permanência na habitação com vigilância eletrónica.

Em abril, o Expresso tentou contactar os responsáveis destas duas empresas nas dezenas de números de telefone disponibilizados nos seus sites institucionais. Mas não obteve qualquer resposta. Apenas um funcionário do call center da MoneyOne falou ao Expresso: "De momento não temos qualquer informação veiculada sobre o Banco de Portugal".