Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

BE lança campanha “Jesus também tinha dois pais”

  • 333

O BE admite que o cartaz, com a imagem de Jesus Cristo, poderá motivar polémica

DR

A partir de sábado, o Bloco de Esquerda lança uma campanha para celebrar o triunfo de dia 10 de fevereiro: data em que foi aprovada a adoção por casais do mesmo sexo

"Jesus também tinha dois pais." Eis como começar uma polémica. Sábado, as ruas de Portugal vão ficar mais coloridas: o Bloco de Esquerda vai lançar uma série de cartazes, autocolantes e outdoors, para assinalar a data de 10 de fevereiro de 2016, dia em que foi aprovada a adoção por casais do mesmo sexo.

Entre os cartazes que têm como objetivo promover a "igualdade" de famílias diferentes, destaca-se um com fundo cor-de-rosa e com a mensagem “Jesus também tinha dois pais – Parlamento termina discriminação na lei da adoção”, que começou a circular na internet desde o final do dia de quinta-feira. Este criou, é claro, reações extremadas dois lados da barricada. Sandra Cunha, deputada do Bloco de Esquerda, assegura que a polémica que possa surgir é “bem-vinda”, porque faz com que as pessoas discutam o tema.

A deputada do BE garantiu ao “Público” desta sexta-feira que a imagem de Jesus Cristo não pretende ofender a Igreja nem a religião. É apenas uma forma de “mostrar às pessoas” que “sempre existiram famílias diferentes”. Quanto aos dois pais de Jesus que o cartaz refere, Sandra esclarece que são o “o pai espiritual e o pai terreno”.

Também está prevista uma sessão pública para discutir o tema, em data a anunciar.

“A campanha marca esta conquista enorme do fim da discriminação na lei contra famílias e crianças por causa da orientação sexual das pessoas. É uma conquista histórica da sociedade portuguesa. Mas consideramos que, apesar de esta conquista na lei ter sido o culminar de uma série de reivindicações, importa ainda continuar esta batalha na sociedade: mudar mentalidades, destruir preconceitos, chamar a atenção para estas questões”, explicou Sandra Cunha, em declarações ao “Público”.