Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

SINTAF defende nacionalização do Novo Banco

  • 333

nuno botelho

Sindicato dos Trabalhadores da Atividade Financeira diz que “não podem ser os trabalhadores a pagar pelos erros dos outros”, manifestando-se contra os despedimentos no Novo Banco

O Sindicato dos Trabalhadores da Atividade Financeira (SINTAF) referiu esta quinta-feira ser "totalmente contra" despedimentos do Novo Banco, instituição que, defendeu, deve ser nacionalizado.

"Devido à situação criada pela medida de resolução, só com a nacionalização do Novo Banco se pode garantir a continuidade dos postos de trabalho, bem como a estabilidade da economia portuguesa, colocando na esfera pública o terceiro maior banco do país", refere o sindicato, filiado na CGTP, num comunicado enviado à agência Lusa.

O SINTAF destacou também que, "mesmo com todas as adversidade", o Novo Banco "continua a ser o principal apoio financeiro às pequenas e médias empresas, tendo contribuído para o reforço da economia".

"O SINTAF é totalmente contra qualquer medida que implique despedimentos", salienta, acrescentando que "não podem ser os trabalhadores a pagar pelos erros dos outros".

A equipa de gestão do Novo Banco esclareceu esta quinta-feira que a reestruturação da entidade vai implicar a saída de até 500 trabalhadores.

O Novo Banco anunciou quarta-feira prejuízos de 980,6 milhões de euros no exercício de 2015.

O banco liderado por Stock da Cunha diz que este resultado é "reflexo do elevado nível de provisionamento essencialmente para crédito a clientes, títulos e imóveis", no valor de 1.054,4 milhões de euros, e ainda da "anulação da totalidade dos prejuízos fiscais reportáveis relativos ao ano de 2013", de 160 milhões de euros.
O Novo Banco foi criado no início de agosto de 2014, na sequência da resolução do Banco Espírito Santo (BES).

Logo no início da sua atividade, entre 4 de agosto e dezembro de 2014, o Novo Banco teve prejuízos de 467,9 milhões de euros, a que se somam pelo menos mais cerca de 3.600 milhões de euros negativos que o BES tinha tido no primeiro semestre de 2014.