Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Rui Moreira não baixa os braços

  • 333

Apesar de a Ryanair ter assegurado parte das rotas canceladas pela TAP, o presidente da Câmara do Porto promete não se conformar com desinvestimento no aeroporto Francisco Sá Carneiro, assunto que vai debater esta quarta-feira com António Costa

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Depois de ter garantido esta terça-feira um reforço de rotas da Ryanair a partir do aeroporto do Porto, em particular para Bruxelas e Milão, Rui Moreira promete que não irá baixar os braços em relação à estratégia de abandono da TAP em relação ao Sá Carneiro.

Ao que o Expresso apurou de fonte do executivo autárquico, o presidente da Câmara do Porto irá questionar António Costa esta quarta-feira sobre quais são os compromissos estratégicos negociados pelo Governo quando reforçou a sua posição de capitais públicos na TAP. Rui Moreira entende que o debate em torno do desinvestimento no aeroporto Francisco Sá Carneiro não deve ser discutido com a companhia aérea detida em 50% pelo Estado, mas com o primeiro-ministro do país.

O líder da autarquia portuense considera ser inadmissível que os portugueses assumam as dívidas da TAP e que a companhia privilegie uma parte do país em detrimento de outra, suprimindo operações fundamentais para a economia nortenha.

Na reunião com Niall O'Connor, diretor de rotas da Ryanair, Rui Moreira teve em conta sobretudo a operação a partir de Bruxelas e Milão, tendo obtido por parte da Ryanair a garantia de que a companhia irlandesa irá estudar voos diretos do Porto para Milão/Malpensa, embora esteja já a oferecer disponibilidade de lugares para Milão/Bergamo.

Já no próximo verão, a companhia low cost irá disponibilizar mais de quatro mil lugares por semana nos seus voos a partir do Porto, estando previsto um reforço de rotas como Bruxelas e Barcelona, abandonadas pela TAP com o argumento de serem deficitárias. Em 2015, o aeroporto do Porto ultrapassou os 8 milhões de passageiros, prevendo que este ano supere os 9 milhões face ao reforço das operações das companhias privadas.