Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

PSP tinha plano de segurança para proteger mãe que se atirou ao Tejo com as filhas

  • 333

As operações de busca em Caxias

MANUEL DE ALMEIDA / Lusa

Pai das meninas estava a ser investigado desde novembro pela suspeita de crimes de violência doméstica e abuso sexual de crianças. Ministério Público requereu há dois meses a abertura de um processo de “promoção e proteção” das menores. A bebé de 20 meses foi segunda-feira à noite encontrada sem vida. A irmã de 3 anos continua desaparecida

A PSP montou em novembro do ano passado um plano de segurança para proteger a mulher, vítima de violência doméstica, que segunda-feira se atirou ao Tejo com as duas filhas, de 19 meses e 4 anos. A mãe tinha apresentado queixa contra o marido, que acusou de abusar sexualmente das meninas.

Em declarações ao Expresso, a Procuradoria-Geral da República (PGR) esclarece que "foi instaurado, em finais de novembro, um inquérito onde se investigam factos suscetíveis de integrarem os crimes de violência doméstica e de abuso sexual de crianças", depois de a mulher, de 37 anos, ter apresentado queixa contra o marido, de quem estava atualmente separada. A queixa de violência doméstica foi, na altura, corroborada por uma comunicação do Hospital Amadora-Sintra, onde a mãe das crianças terá sido assistida.

"No âmbito deste inquérito, foi proposta à denunciante a teleassistência, tendo sido elaborado um plano de segurança" para proteger a mulher, adianta a PGR, sem revelar mais pormenores do caso, que se encontra em segredo de justiça.

Na sequência da queixa apresentada à PSP, que sinalizou o caso à Comissão de Proteção de Crianças, o Ministério Público requereu, no início de dezembro, "a abertura de um processo judicial de promoção e proteção a favor das duas meninas".

Não se sabe, em concreto, que tipo de medidas foram tomadas para proteger a mãe e as duas menores. O que se sabe é que, segunda-feira à noite, a mulher se lançou ao Tejo, junto à praia de Caxias (Oeiras) com as duas meninas. A bebé de 20 meses foi encontrada sem vida e a irmã de 3 anos continua desaparecida.

Segundo a Capitania de Lisboa, a mãe acabou por sair da água em "avançado estado de hipotermia", tendo sido socorrida por um homem que estava a passar junto à praia de Caxias, no concelho de Oeiras. Na altura, em estado de pânico, a mãe alertou que as duas filhas ainda se encontravam no mar. "Procurem as minhas meninas", pediu, desesperada, aos bombeiros que acorreram ao local.

"Era uma mulher deprimida no meio de um processo de divórcio", descreveu ao Expresso fonte ligada à investigação, adiantando que a mãe ainda não foi ouvida pela Polícia Judiciária, "por não se encontrar ainda em condições psicológicas para o fazer". Neste momento, a mulher, de 37 anos, está internada no Hospital Amadora-Sintra, onde está a ser acompanhada pelo serviço de Psiquiatria.

Na sequência do que aconteceu, foi instaurado um novo inquérito no Departamento de Investigação e Ação Penal.