Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

O último desencontro entre Ofélia e Fernando Pessoa

  • 333

Maria da Graça Queiroz, sobrinha-neta de Ofélia, ontem, sexta, nos Prazeres, na trasladação dos restos mortais da tia-avó

Tiago Miranda

Restos mortais do único amor do poeta deixaram vala comum e foram para o cemitério dos Prazeres. Ofélia namorou Pessoa quando tinha 19 anos, mas só viria a casar aos 38, três anos após a morte do seu carismático namorado

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Jornalista da secção Política

Escreveu ele: “Gosto muito, mesmo muito, da Ofelinha. Aprecio muito, muitíssimo, a sua índole e o seu carácter. Se casar não casarei senão consigo.” Respondeu ela: “Agradeço muito os teus beijos e envio-te também muitíssimos e muitos chi-corações apertados. Da tua, sempre mesmo muito tua, Ofélia.”

Ofélia Maria Queiroz Soares, que a história reconhece como a única namorada de Fernando Pessoa, vai ser homenageada este domingo, às 14h, numa cerimónia organizada pela Câmara Municipal de Lisboa no cemitério dos Prazeres. Morreu em julho de 1991, com 91 anos, sem nunca ter querido tirar benefício da relação discretíssima que manteve no início do século XX com aquele que viria a ser considerado um dos maiores génios da literatura portuguesa.

Os seus restos mortais julgavam-se perdidos no Alto de São João, mas a autarquia localizou-os em 2014 e trasladou-os esta semana para os Prazeres, onde ficará não muito longe do jazigo onde esteve Pessoa desde o ano da sua morte (1935) até 1985, quando foi para o Mosteiro dos Jerónimos.

Predestinados a nunca se encontrarem

“Vai estar junto da ausência dele. Como de resto estiveram em vida”, resume José Manuel dos Santos, antigo conselheiro cultural de Mário Soares e Jorge Sampaio e atual administrador da Fundação EDP, a quem coube a escolha das frases retiradas das cartas entre ambos (reproduzidas no início deste texto) que decoram a pedra da campa de Ofélia. Uma ideia de desencontro que é confirmada ao Expresso pelo escritor e investigador pessoano Richard Zenith: “É uma ironia: ela está lá e ele não está. Talvez por isso faz ainda mais sentido [esta homenagem]”. Bem escrevera o filósofo Eduardo Lourenço (num texto publicado no “Jornal de Letras” em maio de 2013): a relação entre Fernando e Ofélia foi “um encontro/desencontro entre dois seres predestinados para nunca se encontrarem”.

Ofélia e Fernando conheceram-se em finais de 1919 (ela com 19 anos, ele com 31) e namoraram até novembro de 1920; afastaram-se nos nove anos seguintes para retomarem a relação, por poucos meses, no verão de 1929. Teria sido “um namoro simples, até certo ponto igual ao de toda a gente” (na descrição da própria, num depoimento recolhido em 1978 por uma sobrinha-neta) não fosse dar-se o caso de um dos dois protagonistas ser tudo menos um homem comum. Ele dizia-lhe isso mesmo quando se desculpava por nunca querer ir a sua casa: “Sabes, é preciso compreender que isso é de gente vulgar, e eu não sou vulgar”. E pedia-lhe que omitisse o relacionamento entre ambos: “Não digas a ninguém que nos namoramos, é ridículo. Amamo-nos”.

“Pessoa não amou Ofélia”, corrige Richard Zenith. “Mas quis. Tentou amá-la, por duas vezes. Ela era uma pessoa importantíssima para ele”. Já Ofélia, não tem dúvidas, “amou-o completamente”. Sabe-se agora, depois de conhecida a totalidade da correspondência entre os dois (348 documentos, entre cartas, postais, telegramas e bilhetes, publicados em 2013 pela editora brasileira Capivara), que “mesmo depois de ele lhe ter deixado de escrever, em 1930, ela continuou a fazê-lo assiduamente. Ele telefonava-lhe e às vezes encontravam-se, em doses homeopáticas, para grande frustração dela”.

Ofélia só se casaria três anos após a morte de Pessoa, já com 38 anos, com Augusto Eduardo Soares, homem do teatro, administrador da produtora Tobis. Não tiveram filhos. Ofélia dedicou-se aos sobrinhos e aos filhos destes, nutrindo uma afeição especial por Maria da Graça Queiroz (filha do poeta Carlos Queiroz, amigo de Pessoa). Esta retribuiu dedicando boa parte da sua vida a reconstituir a biografia da tia-avó — finalmente pronta para publicação, que espera concretizar no próximo 14 de junho, dia de aniversário de Ofélia. Conta ao Expresso que recebeu com “uma alegria enorme” a notícia de que os restos mortais da tia, que julgara perdidos para sempre, repousam agora nos Prazeres, ponto de partida e de chegada do 28, o elétrico que Fernando e Ofélia costumavam usar para passear pela cidade.

Tem a certeza de que Ofélia, apesar de nunca ter reclamado em vida o estatuto de namorada do poeta, apreciaria a homenagem que a Câmara entendeu fazer-lhe: “Não era nada vaidosa, mas era muito assumida.” Foi, de resto, ela própria quem decidiu, aos 86 anos, que era altura de tornar públicas as cartas que Fernando lhe escrevera: “Tinha saído um artigo a dizer que Pessoa era homossexual e ela ficou irritadíssima”.

Não por acaso, a evocação, ainda que sob fúnebre pretexto, realiza-se no dia dos namorados. Um só aparente paradoxo (como paradoxal foi esta relação) que para José Manuel dos Santos tem até “uma certa graça terna”. Explica: na esperança (vã) que alimentou de um dia vir a casar com Fernando, “Ofélia viveu uma espécie de sonho impossível. Como Pessoa também entendia que a vida era.”