Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

"Licença para matar" na Serra da Malcata abre polémica

Governo aprovou uma portaria que permite caçar na zona sul da Reserva Natural da Serra da Malcata. Quercus considera que a portaria não tem “fundamentação científica”. Ministério do Ambiente refuta críticas

Carla Tomás

Carla Tomás

Jornalista

Vinte e três anos depois, a caça volta a ser permitida na zona sul da reserva natural da Serra da Malcata, na Beira Interior. Uma portaria publicada a 8 de fevereiro veio revogar a interdição da prática cinegética que vigorava desde 1993 num dos habitats históricos de ocorrência de lince-ibérico, uma espécie em risco de extinção.

A associação Quercus critica a decisão e acusa o Ministério do Ambiente de "ceder a pressões do lobby da caça". Os ambientalistas consideram "não haver fundamentação científica" para esta deliberação e alertam que "a licença para matar" nesta área protegida "pode colocar em causa a recuperação de várias espécies-presa que se encontram a recuperar na zona, como o corço, o veado ou o coelho, e ainda de espécies em perigo, como o lince-ibérico, o lobo ou o abutre-preto".

A caça é autorizada em cerca de 80% do território nacional e já o era em parte desta reserva natural — criada em 1981 após a campanha "salvem o lince e a Serra da Malcata". Mas a área agora reaberta para caça era das poucas onde a atividade cinegética era interdita.

Os ambientalistas alertam ainda para o facto de esta área protegida enfrentar "graves problemas de caça furtiva", assim como dificuldades de fiscalização e de vigilância que serão potencialmente agravados.

Há décadas que não existem linces-ibéricos neste território, mas no âmbito do plano de conservação desta espécie emblemática está prevista a sua reintrodução nesta área. E para isso foram ali investidos milhares de euros em recuperação de habitats e de população de coelho-bravo (principal alimento deste felino).

A Quercus acusa o Governo "sobrepor os interesses da caça aos da conservação da biodiversidade".

MINISTÉRIO ALEGA QUE SÃO "SÓ VANTAGENS"

O ministério do Ambiente refuta as críticas e argumenta que autorizou apenas "a atividade cinegética na região sul desta área protegida, designadamente a área integrante do concelho de Penamacor", sendo desde sempre autorizada a caça no restante território da reserva.

Em resposta escrita enviada ao Expresso, fonte do gabinete de João Matos Fernandes defende que "são consideradas inequívocas as vantagens do ordenamento, gestão e exploração cinegética sustentável para a conservação dos recursos naturais, em particular através do fomento de espécies-presa e maneio de habitat favorável às principais espécies protegidas" e que a decisão visa também "a valorização económica e social do património natural".

Procurando desdramatizar o facto de a Serra da Malcata ser um habitat histórico de lince-ibérico, o Ministério do Ambiente argumenta que a reintrodução desta espécie na área do Vale do Guadiana desde 2014 tem sido feita numa herdade sob regime cinegético ordenado.

Certo é que os caçadores terão muito coelho-bravo para caçar na Serra da Malcata, ali reintroduzido com dinheiro de Bruxelas no âmbito dos projetos de conservação do lince-ibérico.