Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Se receber um conselho da Apple sobre o seu iPhone, pense duas vezes

  • 333

Justin Sullivan/Getty Images

Milhares de utilizadores do iPhone 6 ficaram com os seus telemóveis inutilizáveis depois de terem instalado, por sugestão da Apple, o mais recente software. Afinal, tudo pode resumir-se a manobra para evitar que os utilizadores reparem os aparelhos em lojas não oficiais

Vamos fazer um teste: tem um iPhone 6? Caso a resposta seja positiva, conhece o erro 53? Se respondeu sim a ambas as questões, fique a saber que não está sozinho. O erro é frequente e acontece quando um problema no botão "home" do aparelho é resolvido por alguém que não os técnicos da Apple; o resultado é que todo o ecrã tátil do telemóvel deixa de reagir ao toque.

É um problema que está a levantar suspeitas de que a Apple esteja a dificultar o processo de propósito, com o objetivo de impedir os utilizadores de levarem o telemóvel para ser arranjado fora das lojas oficiais. Tudo porque o dispositivo pode funcionar perfeitamente depois de resolvido o problema, mas o erro 53 acaba por aparecer quando a própria Apple convida o utilizador a instalar a mais recente atualização do software iOS9.

Na verdade, este problema não afeta apenas as pessoas que arranjaram o seu telemóvel através dos serviços de terceiros. Quem conseguiu continuar a usar o seu iPhone 6 mesmo depois de este ter caído, por exemplo, também vai deixar de conseguir usar o aparelho assim que instalar a nova atualização.

Para mais, quando o aviso 53 aparece, o telemóvel e tudo o que lá estiver guardado passa a ser irrecuperável. Esta é a resposta que milhares de utilizadores que viram os seus telemóveis estragados depois de instalarem, por sugestão da empresa, a atualização de software obtiveram junto dos funcionários da Apple, conta o "Guardian".

O diário britânico cita especialistas em tecnologia que garantem que a empresa norte-americana está consciente do problema mas nada faz com o objetivo de que os utilizadores desistam de resolver problemas do aparelho junto de terceiros e lojas não oficiais. "Isto é incrível. Como é que uma empresa pode tornar os seus telemóveis inúteis com uma atualização sua e não avisar os clientes?", questiona Antonio Olmos, jornalista do "Guardian" e utilizador assíduo dos produtos da Apple.

Olmos é um dos casos que demonstram que o erro pode revelar-se muito prejudicial: o jornalista cobria a crise dos refugiados na Macedónia para o diário britânico quando o seu iPhone caiu, tendo o botão inicial deixado de funcionar. Isolado num país em que não tinha acesso a nenhuma loja oficial, recorreu à ajuda de uma loja local para resolver o problema. E estava resolvido... até agora: Olmos instalou a atualização do software e viu-se, de novo sem telemóvel. Ao chegar à loja da Apple, percebeu que não havia nada a fazer e teve de pagar 270 libras (350 euros) para substituir o aparelho.