Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Português suspeito de ser o carrasco do último vídeo do Estado Islâmico

  • 333

Lusodescendente Steve Duarte, que tem nacionalidade e passaporte português, fala em francês e mata um dos cinco reféns que surgem no vídeo de oito minutos do Daesh. Diz querer reconquistar a Península Ibérica

Steve Duarte, de 27 anos, está na Síria desde o final de 2014. As autoridades portuguesas têm fortes suspeitas de que é carrasco do último vídeo do Estado Islâmico, divulgado este domingo. O lusodescendente discursa em francês, de rosto tapado com um passa-montanhas que deixa apenas de fora os olhos e o cabelo louro. No fim mata a tiro um dos cinco reféns que surgem no vídeo de oito minutos, identificados como traidores do Estado Islâmico. Vestido com um uniforme camuflado claro, Abu Muhadjir Al Andalousi (o seu nome de guerra) é o elemento mais importante dos jiadistas que surgem nas imagens, e que abatem as vítimas a sangue frio.

As imagens terão sido gravadas em Ninive, no norte do Iraque, num local bombardeado pelas forças da coligação. "Juro que pagareis um preço muito alto e que o vosso final será muito doloroso", ameaça Steve Duarte, em tom ameaçador, de pistola na mão. Aos seus pés, ajoelhado, está o homem que matará pouco depois. E acrescenta: "Se Deus quiser, recuperaremos Al Andalus", designação dada à Península Ibérica.

Na Síria, Steve Duarte esteve sempre ligado à produtora que concebe e produz os vídeos de propaganda do Estado Islâmico. É a primeira vez que surge à frente da câmara e como carrasco.

Detentor de nacionalidade e passaporte português, nunca perdeu a ligação ao país dos pais. Cresceu no Luxemburgo mas regressava frequentemente à Figueira da Foz, terra onde ainda tem família. Criado numa família católica, converteu-se em 2010 ao Islão numa mesquita da Argélia e até pôs o video do ritual no YouTube. Foi também aí que se casou com uma mulher argelina.

Antes de partir para a Síria tentou uma carreira como cantor de hip hop. Nome artístico: Pollo. Chegou até a atuar em vários bares da Figueira da Foz. Em 2011, Steve lançou um disco de hip hop com 12 músicas que falam de tiroteios em escolas, fazem críticas à esquerda e à direita e narram injustiças policiais. A indumentária que usou para a fotografia de capa do álbum, disponível na Internet, não era ainda tão ortodoxa como as das fotografias mais recentes colocadas no Facebook. A carreira discográfica foi inconsequente, ao contrário do papel que parece desempenhar atualmente na causa jiadista.

Preparava-se para viajar do Luxemburgo para a Síria, em meados de 2014, quando o Expresso o contactou no Facebook. Chamava-se então Abdoul Halim. Surgia nas redes sociais de barbas fartas, taqiyah (chapéu muçulmano) e traje escuro e garantia estar a “trabalhar para Alá desde 2007.” Num post colocado nessa altura resume o seu fanatismo: “Não há limites na adoração a Deus. Mesmo quando vocês respiram, respiram por Alá”. No resto do texto disserta sobre a importância e “o fogo da Jihad”, apelando ao coração de outros jovens islâmicos para as batalhas que se travam na Síria e no Iraque.

Ao Expresso, o lusoluxemburguês não quis adiantar muito sobre as razões de se querer alistar nas tropas de Abu Bakr al-Baghdadi. “Não falo com jornalistas”, respondeu-nos em português da primeira vez que tentámos o contacto. Estava ainda no Luxemburgo. Voltámos a falar (ou a tentar) quando fazia já parte do Estado Islâmico. Agora com o nome de guerra Abu Muhadjir Al Andalousi. Tivemos a mesma sorte: “Não falo com vocês”. Minutos depois, bloqueou-nos no Facebook.

Antes da publicação do vídeo, a última notícia sobre a nova vida de Steve chegou do Luxemburgo. A mulher argelina, que não o acompanhou para a Jihad, conseguiu formalizar o divórcio com o jiadista no fim de 2015.

Steve Duarte integra o contingente de nove a dez jiadistas portugueses que combatem no Estado Islâmico.