Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Assembleia Municipal do Porto rejeita criação de comissão de acompanhamento da reabilitação do Bolhão

  • 333

D.R.

A moção para a criação da comissão, proposta pela CDU, deveria ser constituída por um elemento de cada grupo municipal e presidida pelo presidente da assembleia

Cláudia Lopes

A CDU apresentou ontem à noite na Assembleia Municipal do Porto uma moção para a criação de uma Comissão de Acompanhamento da Reabilitação do Bolhão, mas na votação final o documento foi rejeitado com os votos contra do movimento de Rui Moreira ”O Nosso partido é o Porto” e do PS. CDU e BE votaram a favor. Os eleitos do Porto Forte (PSD) distribuíram-se pelos votos contra, a favor e abstenção. 

Para Artur Ribeiro, deputado da CDU, muitas questões ficaram por responder desde que o projeto de requalificação do Mercado do Bolhão foi apresentado, no ano passado, pelo presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira.  

O projeto, com financiamento e gestão municipal, comprometia-se com a preservação dos traços e dos usos tradicionais do mercado, situação que passava pela salvaguarda dos comerciantes do espaço. No entanto, segundo foi noticiado recentemente, os comerciantes das lojas exteriores do mercado poderiam ter os seus lugares em risco.  

Outras questões estariam também relacionadas com o custo e calendário das obras e com o alojamento dos comerciantes do interior do mercado durante o decorrer das obras de requalificação. Tendo em conta a carga afetiva do edifício, José de Castro, deputado do Bloco de Esquerda, achou a proposta adequada por considerar o acompanhamento do projeto por parte de diferentes perspetivas políticas uma mais valia para os portuenses.  

Já Gustavo Pimenta, deputado do Partido Socialista, e André Noronha, deputado do movimento independente "Porto, o nosso Partido", que apoia Rui Moreira, opuseram-se à moção por considerarem que o projeto para o mercado é público e transparente, tornando-se desnecessária a existência de uma Comissão de Acompanhamento. No final, esta foi a visão da maioria que votou pela rejeição da moção.