Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Refugiados em Portugal: integração em português, com taekwondo e dois bebés

  • 333

Luís Barra

A 8 de novembro chegaram 45 refugiados. A 17 de dezembro, 24. A semana passada, dois. A vida no novo país só agora começou

Três vezes por semana, os casais sírios Fouad e Souad, Sameer e Susan e o sudanês Belal apanham o autocarro de Penela para Coimbra. Depois de quase três meses em Portugal, já vão sozinhos, sem o apoio presencial da Fundação ADFP (Assistência para o Desenvolvimento e Formação Profissional), a entidade responsável pelo seu acolhimento e integração. O português arranhado dá-lhes suficiente autonomia. E a viagem faz-se exatamente para aprofundar a língua do país que os acolheu.

Desde o início do ano que são alunos da Universidade de Coimbra. Integram o curso intensivo de português para estrangeiros. Mas não só. Fouad Mahmasa, 44 anos, está também a frequentar duas cadeiras de contabilidade para refrescar a licenciatura. Era gestor financeiro num shopping center, em Alepo. Fugiu a tempo. Agora é só ruínas.

Na Faculdade de Ciências, Sameer Ghalyoun, 37, relembra a matéria que o fez engenheiro químico na Síria. Belal Ibrahim, 22 anos, deixou o curso de Geografia a meio, mas não vai terminá-lo. O seu mundo é agora outro e deste não tem saber superior. Mudou para Português-Inglês. Junta-lhe o francês e o árabe, que já domina, e está feito um poliglota, a que não falta a gíria do futebol. Ás terças, quartas e sextas treina no Clube Desportivo e Recreativo Penelense. É mais uma saída profissional.

A 8 de novembro de 2015 chegaram a Portugal 45 refugiados sírios, eritreus e sudaneses, reinstalados ao abrigo do acordo com o ACNUR. Segundo o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, já são detentores de autorização de residência, que lhes dá ao acesso ao ensino, SNS, emprego, segurança social e formação profissional nas mesmas condições dos cidadãos nacionais.

“A integração está a correr lindamente, a parte documental está toda tratada mas ainda há muito caminho para andar. Sem se ultrapassar as barreiras da língua nada avança”, reconhece Nataliya Bekh, coordenadora do projeto de acolhimento da ADFP, para onde foram quatro famílias, oito adultos e 12 menores. “Tal como os pais, as cinco crianças do 1º e 2º ciclo estão a aprender português de forma intensiva, com cinco professoras a introduzir pouco a pouco as várias disciplinas. A seguir à Páscoa serão distribuídas pelas turmas normais”, garante Natalyia.

Em Lisboa, o Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS), que tem a seu cargo três famílias sírias e uma eritreia, já avançou esta semana com a integração de sete crianças na estrutura normal do Colégio de São João de Brito (ver texto). Os adultos preparam-se também para uma prova de fogo. Depois da aprovação na primeira avaliação de português, “iniciarão na próxima semana estágios para começarem a integração no mercado de trabalho”, avança o diretor do JRS, André Costa Jorge. “E durante os próximos meses serão acompanhados pelo nosso gabinete de emprego para preparação de currículo e entrevistas, candidaturas e cursos de formação”, acrescenta.

O regresso aos treinos

Na linha de Sintra, o Conselho Português para os Refugiados (CPR) saltou etapas do projeto-base de reintegração perante a insistência de um refugiado em praticar taekwondo. Os hobbies não costumam ser prioridade. “Mas para ele era. Era a sua profissão. Era treinador, tinha participado em competições. Por isso, inverteu-se um pouco a lógica. Não tem ainda as competências ao nível do português, mas temos a certeza de que o desporto o vai motivar para aprender mais, para poder evoluir naquilo que gosta”, explica Isabel Sales, diretora do Centro de Acolhimento do CPR. Já começou o plano de treinos, três vezes por semana. O sorriso dá certezas quanto ao caminho escolhido.

Zacaria, sírio, 29 anos, também já voltou ao trabalho. É um recordista entre os refugiados. Pertence ao grupo de 24 requerentes de asilo que chegou a 17 de dezembro. Em Ferreira do Zêzere, onde foi acolhido com a mulher Abir e o filho Yehia, de um ano, pela Fundação Maria Dias Ferreira, os dotes de mecânico estão a render-lhe €100 por semana. “Estamos a dar prioridade à aprendizagem do português, com aulas quase todos os dias. Mas para já vão fazendo pequenos trabalhos”, conta José Afonso Sousa, presidente da fundação.

Fugiram da Síria para a Turquia pelas montanhas, cinco dias a pé. Daí atravessaram o mar até à Grécia. Abir levava um bebé ao colo e outro na barriga. Está grávida de um menino, que nascerá em abril. E não é a única. Em agosto, também Penela espera um bebé.