Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Morte por falta de assistência: “O médico estava convencido que o doente sobrevivia até segunda”

  • 333

paulo vaz henriques

Presidente do Hospital São José, onde se passou o caso, esteve esta terça-feira na comissão parlamentar de saúde. David Duarte, 29 anos, perdeu a vida na madrugada de 13 para 14 de dezembro (de domingo para segunda-feira) no Hospital de São José, em Lisboa, porque a equipa médica que o poderia salvar recusava trabalhar ao fim de semana pelo valor que o Estado pagava

A presidente do Hospital de São José afirmou esta terça-feira ter a certeza que o médico tomou a decisão correta no caso do jovem de 29 anos que morreu em dezembro com um aneurisma. Na comissão parlamentar de saúde, que esta terça-feira analisou o caso do jovem David Duarte, Teresa Sustelo insistiu que não se tentou transferir o doente para outra unidade "porque não tinha condições" para o ser, à luz das recomendações internacionais.

"Tenho a certeza que [o médico] tomou a decisão certa para o doente", declarou a ainda presidente da administração do Centro Hospitalar de Lisboa Centra, que integra o São José. Confirmando que não foi contactada qualquer outra unidade hospitalar para transferir David Duarte, a responsável acrescentou ainda que o médico não contactou outros profissionais para que a intervenção se realizasse mesmo durante o fim de semana.

Segundo Teresa Sustelo, "em caso de vida ou morte", os profissionais podem ser chamados e não se recusam a comparecer. "O médico em causa estava absolutamente convencido que o doente conseguia sobreviver até ter as equipas prontas na segunda-feira", afirmou em declarações aos jornalistas após ser ouvida pelos deputados na comissão parlamentar.

Teresa Sustelo voltou a frisar que as 'guidelines' internacionais indicam que nos casos como o de David Duarte a intervenção pode ser realizada até 72 horas. A presidente do São José, que colocou o seu lugar à disposição na sequência deste caso, afirmou ainda desconhecer outros casos semelhantes naquela unidade hospitalar, que ao fim de semana não tem equipas completas de neurocirurgia vascular.

Sobre a decisão de não tentar transferir o doente, Teresa Sustelo revelou que, segundo as normas internacionais, casos como o de David Duarte correm um risco acrescido de 24% a 37% ao serem transferidos.

Relativamente à proposta feita pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central para recuperar as equipas de neurocirurgia vascular 24 sobre 24 horas, Teresa Sustelo disse nunca ter tido reservas por parte do Ministério da Saúde, mas reconheceu que a proposta esbarrou no Ministério das Finanças por questões orçamentais.

  • Carta da namorada do jovem que morreu por falta de médico ao fim de semana

    David Duarte, 29 anos, perdeu a vida na madrugada de 13 para 14 de dezembro (de domingo para segunda-feira) no Hospital de São José, em Lisboa, porque a equipa médica que o poderia salvar recusa trabalhar ao fim de semana pelo valor que o Estado paga. A namorada de David Duarte, Elodie Almeida, de 25 anos, estava com ele quando surgiram os primeiros sinais. Colocou em palavras escritas aquilo que não conseguiu contar ao Expresso de viva voz. É um testemunho raro

  • Por que razão ninguém chamou médicos para salvar David Duarte?

    Enfermeiros de São José foram os primeiros a recusar estar de prevenção aos sábados e domingos devido aos cortes de 50%, “arrastando” o resto da equipa de neurocirurgia vascular. Por isso, o Hospital acabou por não chamar ninguém quando David Duarte deu entrada com um aneurisma numa sexta-feira, tendo depois morrido por ser fim de semana e não haver quem o pudesse salvar