Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Furacão Alex. Três horas críticas para os Açores

  • 333

EDUARDO COSTA / Lusa

Período entre as 8h e as 11h locais será aquele em que se preveem mais problemas à passagem do fenómeno pelo arquipélago

O período mais crítico do furacão 'Alex' nos Açores ocorrerá entre as 8h e as 11h (hora local, menos uma do que em Lisboa) desta manhã, quando se prevê a sua passagem em cima do arquipélago, informa o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A meteorologista Fernanda Carvalho, da delegação regional dos Açores do IPMA, explica que já se registam "eventos de precipitação forte, mas ainda não os valores que possivelmente vão cair". "Temos em várias ilhas valores de queda de precipitação que ultrapassam os 10 litros por metro quadrado", refere a meteorologista, adiantando que no caso do vento já se registaram rajadas máximas de 90 km/h no grupo central.

O IPMA anunciou que o furacão 'Alex' mantém as características previstas para a sua passagem nos Açores, apesar de apresentar indícios "de algum enfraquecimento na sua estrutura".

Um comunicado disponível na página do Facebook da delegação regional dos Açores do IPMA informa que, de acordo com o centro de Furacões de Miami (EUA), o centro do furacão 'Alex' encontrava-se às 2h "a cerca de 445 quilómetros a su-sueste do Faial, dirigindo-se para norte com uma velocidade de cerca de 35 km/h, o que implica a sua passagem sobre as ilhas do grupo central dos Açores durante a manhã".

"Muito embora haja indícios de algum enfraquecimento na sua estrutura, o 'Alex' deverá manter no essencial as características inicialmente previstas durante a sua passagem nos Açores", esclarece o IPMA, observando que se mantém a previsão de precipitação forte, ventos com rajadas que podem atingir os 160 km/h e ondas com altura máxima de 18 metros" neste grupo, constituído pelas ilhas da Graciosa, Faial, Pico, São Jorge e Terceira.

O grupo oriental (São Miguel e Santa Maria) "será afetado com menos intensidade, com ventos com rajadas na ordem dos 130 km/h, ondas que podem ultrapassar os nove metros e precipitação forte", adianta o mesmo comunicado, acrescentando que "ao longo da tarde deverá verificar-se uma melhoria do estado do tempo nas ilhas dos referidos grupos".

O furacão 'Alex' é o primeiro fenómeno meteorológico desta natureza a acontecer no mês de janeiro em quase 80 anos, de acordo com meteorologistas norte-americanos, motivando a emissão de avisos vermelhos para vento, agitação marítima e chuva para os dois grupos, que vigoram até ao início da tarde.

O aviso vermelho é o mais grave numa escala de quatro e representa uma situação meteorológica de risco extremo.

Até às 5h, a Proteção Civil regional não tinha registado incidentes.