Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Família de jovem que faleceu por falta de assistência avança com queixa-crime

  • 333

David Duarte tinha 29 anos

Os familiares de David Duarte pretendem apurar todas as responsabilidades e perceber se os meios do SNS foram bem geridos quando recusaram atender o jovem no Hospital São José, em Lisboa

A família do jovem de 29 anos que morreu no Hospital São José na madrugada de 14 de dezembro vai apresentar uma queixa-crime "contra todos os envolvidos na cadeia de decisão" sobre a alegada falta de assistência ao jovem.

Em conferência de imprensa esta sexta-feira em Lisboa, Francisco Manaio, tio de David Duarte, adiantou que a família pretende apurar todas as responsabilidades e saber se os meios do Serviço Nacional de Saúde (SNS) foram bem geridos.

A advogada deste caso, Cristina Malhão, adiantou que a queixa vai ser entregue ao Ministério Público (MP) em meados da próxima semana.

" A família do David Duarte tem todo o direito de fazer chegar a sua queixa ao MP, independentemente de sabermos que existe um inquérito a decorrer. (...) Cabe ao Ministério Público apurar todos os factos, ao nível da organização e do planeamento dos meios do SNS", afirmou.

A advogada disse estar convicta de que "existem responsabilidades" e que todas elas devem ser apuradas: "Apurar todas as responsabilidades sem qualquer tipo de exceção, não há nenhuma razão para ficar de fora qualquer tipo de responsabilidades. Estamos a falar de uma situação que era do conhecimento público".

Cristina Malhão vincou que é do domínio público que "o hospital de São José não dispunha de uma equipa de neurocirurgia a trabalhar nos fins de semana".

"Mas essa avaliação, a forma como essa decisão foi tomada, em que medida a coordenação entre os serviços hospitalares funcionou ou não, é precisamente o que se pretende apurar", declarou.

Quanto a um eventual pedido de indeminização, os advogados da família sublinham que esta não é uma questão prioritária, mas que certamente no futuro isso será analisado.

O tio de David Duarte frisou igualmente que a família pretende "somente apurar as responsabilidades e perceber se os meios existentes no SNS foram geridos de acordo com as normas e a lei em vigor".

"O David era um jovem de 29 anos que viu a sua vida interrompida por não ter sido socorrido de forma eficaz e atempadamente no hospital de São José. Um hospital que pertence ao SNS, a que todos recorremos quando necessário. Foi o David que morreu naquele dia, podia ter sido qualquer um de nós", declarou Francisco Manaio.

O caso de David Duarte, que deu entrada no São José com um aneurisma roto, motivou já a constituição de um grupo coordenador da Urgência Metropolitana de Lisboa para avaliar os "constrangimentos existentes" nos hospitais e preparar soluções que devem começar a ser aplicadas em fevereiro.

O PS e o PCP também já aprovaram um requerimento para ouvir o ministro da Saúde e os dirigentes da saúde demissionários na sequência deste caso.

David Duarte deu entrada no hospital de São José numa sexta-feira a necessitar de uma intervenção da área da neurocirurgia, tendo acabado por não ser intervencionado alegadamente por falta de equipa especializada.

  • Carta da namorada do jovem que morreu por falta de médico ao fim de semana

    David Duarte, 29 anos, perdeu a vida na madrugada de 13 para 14 de dezembro (de domingo para segunda-feira) no Hospital de São José, em Lisboa, porque a equipa médica que o poderia salvar recusa trabalhar ao fim de semana pelo valor que o Estado paga. A namorada de David Duarte, Elodie Almeida, de 25 anos, estava com ele quando surgiram os primeiros sinais. Colocou em palavras escritas aquilo que não conseguiu contar ao Expresso de viva voz. É um testemunho raro

  • Hospital onde morreu jovem por falta de assistência tinha desde julho indicação para tranferir doentes com aneurisma

    A recomendação fora dada em julho, relativamente aos períodos do fim de semana, tendo em conta que os doentes que os doentes com rutura de aneurisma cerebral que entrassem a partir das 16h de sexta feira teriam de esperar até segunda-feira para serem tratados. David Duarte, de 29 anos, morreu na madrugada de 13 para 14 de dezembro (de domingo para segunda-feira) por falta de equipa médica especializada precisamente por se tratar de um fim de semana

  • Por que razão ninguém chamou médicos para salvar David Duarte?

    Enfermeiros de São José foram os primeiros a recusar estar de prevenção aos sábados e domingos devido aos cortes de 50%, “arrastando” o resto da equipa de neurocirurgia vascular. Por isso, o Hospital acabou por não chamar ninguém quando David Duarte deu entrada com um aneurisma numa sexta-feira, tendo depois morrido por ser fim de semana e não haver quem o pudesse salvar