Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Richard Branson rói as unhas para acabar com a caça ilegal de rinocerontes

  • 333

Empresário britânico e fundador do grupo Virgin lançou uma campanha em que tenta demonstrar que o chifre do rinoceronte, que é feito essencialmente de queratina, não tem qualquer benefício médico

“Porquê matar uma das maiores espécies do nosso planeta sem motivo nenhum?” é a pergunta que Richard Branson faz na sua nova campanha. Juntamente com celebridades chinesas e embaixadoras globais de animais selvagens, Branson está a promover um anúnico que tem como objetivo acabar com a venda de chifres de rinoceronte.

No anúncio, Richard Branson surge a roer as unhas e a dizer “queratina, é tudo o que isto é”. Isto porque o chifre do rinoceronte é feito essencialmente a partir de queratina, a mesma proteína que compõe as unhas humanas e os cabelos. O objetivo da campanha é mostrar que a queratina não apresenta qualquer benefício médico.

O chifre do rinoceronte é considerado um símbolo de estatuto social no Vietname e na China, devido ao facto de a classe média ter aumentado a procura de chifre, uma vez que este é utilizado como uma cura medicinal tradicional e como drogra recreativa. As organizações criminosas internacionais são conhecidas por cobrarem 60.000 libras (aproximadamente 80 mil euros) por uma substância ilegal que na verdade não é (assim tão) diferente das unhas dos seres-humanos.

De acordo com o “The Guardian”, o diretor-executivo da fundação WildAid, Peter Knights, explicou que o valor que o chifre de rinoceronte tem no mercado é a “causa da crise ilegal na África” e que “esta campanha” tem como objetivo diminuir “o fascínio do chifre do rinoceronte e expor aquilo que é: fraude”.

O jornal britânico também refere que os dados oficiais mais recentes mostram que 749 rinocerontes foram caçados até 27 de agosto de 2015 na África do Sul, local onde a maioria destes animais estão concentrados. Em 2014, foram mortos 1215 rinocerontes, tornando-se assim o valor recorde na taxa de mortalidade.