Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

FESAP insatisfeita com processo negocial sobre a reposição das 35 horas

  • 333

À saída de uma reunião no Ministério das Finanças, Nobre dos Santos disse que o processo negocial com vista a um acordo sobre a reposição as 35 horas semanais na função pública não começou da melhor forma

A Federação dos Sindicatos da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos (FESAP) criticou esta quarta-feira o timing da próxima reunião sobre a reposição das 35 horas de trabalho na Função Pública.

O encontro foi agendado pelo Executivo para o dia 28, um dia antes da greve convocada pela CGTP na Função Pública.

“Nós não pomos em causa a greve. Há situações de confronto, quando não há posições negociais. (...) Os sindicatos e os trabalhadores têm que ser ouvidos”, afirmou Nobre dos Santos, secretário-geral da FESAP, após um encontro entre os sindicatos da Função Pública e o ministro das Finanças, Mário Centeno.

O líder sindical reconheceu que o processo negocial não começou da melhor maneira, reiterando porém que o essencial é alcançar um acordo que garanta a reposição das 35 horas de trabalho.

“Este processo começou mal, devia ter começado com reuniões com os sindicatos, mas só o que interessa agora é o resultado final, a reposição das 35 horas de trabalho.”

Nobre dos Santos diz, contudo, esperar “boa-fé” do Governo com vista a um acordo que coloque fim a uma “situação insustentável.”

“Se a negociação for efetiva, nós entendemos que temos que negociar até ao fim. Tentar negociar todas as matérias e tentar que o Governo cumpra as promessas que fez”, afirmou Nobre dos Santos.

O líder sindical sublinhou que só estará confiante “se a negociação decorrer de forma correta, coerente e transparente. Esse tempo novo só ocorrerá se as coisas mudarem, se continuar tudo na mesma esse novo tempo perdeu-se”, acrescentou.

O Executivo quer repor o horário de 35 horas na Função Pública e revogar o horário de 40 horas que vigora desde setembro de 2013, com o anterior Governo. No entanto, alerta essa redução não deverá conduzir a um aumento da despesa.