Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Ministério Público pede condenação da ex-ministra Ana Jorge em caso de €21 milhões

  • 333

Ana Baião

Em causa estão factos que remontam a uma altura em que Ana Jorge era presidente da Administração Regional da Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. Há mais acusados

O Ministério Público pediu esta quinta-feira a condenação de cerca de 20 responsáveis da Administração Regional de Saúde de Lisboa entre 1998 e 2001, por terem pago indevidamente cerca de 21 milhões de euros à sociedade que geria o hospital Amadora-Sintra.

Entre os responsáveis que estão a ser julgados no tribunal de contas, onde decorreram as alegações finais, está a antiga ministra da saúde Ana Jorge (Governo PS), que foi presidente da Administração Regional da Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo entre 1997 e 2000.

A procuradora do Ministério Público (MP) alegou que o pagamento indevido de mais de 21 milhões de euros (quatro milhões e 200 mil contos) não pode deixar de ser imputado aos administradores da ARS.

Os advogados dos responsaévis de então da ARS alegam que não houve pagamentos indevidos porque foram pagos à sociedade que geria o hospital Amadora-Sintra valores por serviços e tratamentos comprovadamente efetuados.

Os advogados manifestaram-se convictos na absolvição e lamentaram o arrastamento do processo, que dura há mais de 10 anos.