Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Segunda Circular vai tornar-se a maior alameda de Lisboa

  • 333

ANTEVISÃO. O plano é fazer da Segunda Circular um corredor arborizado que ligue os pulmões da cidade, como se vê nesta imagem

Foto CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

A via rápida mais popular de Lisboa vai deixar de existir. A Câmara Municipal pôs à consulta pública um projeto que a irá transformar em 2017 numa avenida cheia de árvores e com passeios nas bermas. Veja como está hoje e como vai ficar daqui a dois anos

Dá muito jeito porque vai de uma ponta à outra da cidade, mas tem muito trânsito, é poluída e, além disso, dificilmente alguém pensa em usá-la com a ideia de fazer um passeio agradável. Mas a Câmara Municipal de Lisboa tem um plano para mudar a forma como os lisboetas – e todos os que vivem à volta de Lisboa – encaram a Segunda Circular.

Embora não implique destruir a principal e mais congestionada via rápida de Lisboa, o plano consiste, na prática, em transformá-la noutra coisa: numa avenida, como se estivesse no centro nobre da cidade. Passará então a ser a segunda maior avenida de Lisboa, com dez quilómetros de comprimento, logo a seguir à avenida Infante D. Henrique (que tem 12).

O objetivo é reconverter a Segunda Circular até 2017. No site da Câmara Municipal de Lisboa, todos os detalhes do projeto estão disponíveis para consulta e quem quiser pode enviar sugestões até dia 15 de janeiro, antes de o executivo liderado por Fernando Medina tomar uma decisão definitiva sobre o assunto.

Agora (foto mais cima) e o depois. Interceção com o Eixo Norte-Sul, com Telheiras do lado esquerdo e Laranjeiras do lado direito

Agora (foto mais cima) e o depois. Interceção com o Eixo Norte-Sul, com Telheiras do lado esquerdo e Laranjeiras do lado direito

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

A ideia é repavimentar toda a extensão de 10 quilómetros da Segunda Circular, que vai do IC19 à A1, e criar um separador central com 3,5 metros de largura e que terá uma fileira de árvores frondosas. As bermas passarão a ter passeios largos para peões, com grandes extensões de arvoredo a ocupar os espaços possíveis.

A autarquia quer que a via funcione como um corredor arborizado que faça a ligação entre Monsanto e o chamado “pulmão verde oriental” da cidade, onde se inclui o Parque da Belavista.

Agora (foto mais cima) e o depois. Interceção com o Eixo Norte-Sul, com Telheiras do lado esquerdo e Laranjeiras do lado direito.

Agora (foto mais cima) e o depois. Interceção com o Eixo Norte-Sul, com Telheiras do lado esquerdo e Laranjeiras do lado direito.

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

Para reforçar o conceito de avenida, o traçado irá manter o número de faixas que tem atualmente mas a largura das faixas vai ser reduzida para 3,25 metros e as faixas exteriores, junto às bermas, terão uma cobertura betuminosa, sinalizada com outra cor, para uma rodagem mais lenta.

Além disso, a própria velocidade máxima permitida passará dos atuais 80 km/hora para 60 km/hora, praticamente o mesmo que é exigido em todo o país dentro das localidades. E haverá, segundo o projeto, controladores de velocidade nos locais mais críticos, a par da substituição de toda a sinalética, de forma a torná-la mais fácil e eficaz.

Usem a CRIL, por favor

O maior desafio vai ser, no entanto, resolver o problema do trânsito. O que fazer com todos os condutores que usam a Segunda Circular em hora de ponta, a caminho ou de volta para o trabalho?

Apesar dos receios de que todas estas mudanças provoquem ainda mais congestionamentos dos que já existem hoje na Segunda Circular, a previsão é de que a velocidade média de circulação em hora de ponta melhore um pouco (de 45,7 km/hora para 47,1 km/hora). Se tudo correr conforme o plano. Em média há 105 mil veículos a circular todos os dias naquela via. Os estudos publicados no site da câmara apontam para uma redução do tráfego global naquela via de 18,8%, com o tráfego a ser canalizado para o Eixo Norte-Sul, a CRIL, a Radial de Benfica e mais duas artérias na zona oriental da cidade.

Agora (foto mais cima) e o depois. Interceção com o Eixo Norte-Sul, com Telheiras do lado esquerdo e Laranjeiras do lado direito.

Agora (foto mais cima) e o depois. Interceção com o Eixo Norte-Sul, com Telheiras do lado esquerdo e Laranjeiras do lado direito.

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

Há 11 mil veículos por dia que usam atualmente a Segunda Circular não tendo Lisboa como origem ou destino. E 38 mil carros gerados pelos movimentos de saída e entrada no aeroporto, que os técnicos acreditam poder baixar consideravelmente com o desvio do trânsito para a avenida Marechal António Spínola e a avenida Infante D. Henrique.

Agora (foto mais cima) e o depois. Interceção com o Eixo Norte-Sul, com Telheiras do lado esquerdo e Laranjeiras do lado direito.

Agora (foto mais cima) e o depois. Interceção com o Eixo Norte-Sul, com Telheiras do lado esquerdo e Laranjeiras do lado direito.

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

De acordo com as contas da autarquia, as obras de reconversão da Segunda Circular vão demorar 11 meses e correspondem a um investimento de dez milhões de euros. Além disso, haverá outros encargos que terão de ser suportados pela Infraestruturas de Portugal, a empresa responsável pela CRIL, já que terão de ser feitas obras no nó da Buraca, de forma a melhorar o cruzamento entre as vias.

A Segunda Circular em números

10,1

Quilómetros, extensão total da Segunda Circular

31

Acessos à Segunda Circular em cada um dos sentidos

11.000

Carros que usam todos os dias a Segunda Circular mas não entram nem saem de Lisboa

18,8%

Redução de tráfego esperada com a reconfiguração da Segunda Circular

50%

Diminuição do nível de ruído com a renovação planeada do pavimento

60%

Poupança no consumo de energia com a substituição da atual iluminação

70%

Das árvores que serão plantadas vão ser da espécie Lodão, que pode chegar aos 30 metros de altura. É uma árvore de folha caduca e de copa redonda

[Texto publicado no Expresso Diário de 5 de janeiro de 2016]