Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Estudo revela que poucas horas de sono aumentam risco de Alzheimer

  • 333

O Alzheimer, a forma mais comum de demência, provoca a degeneração progressiva, irreversível e global de várias funções cognitivas como a memória, concentração, linguagem e pensamento, afetando a realização das atividades do quotidiano

SEBASTIEN BOZON/GETTY

Investigadores apontam que a ausência de períodos recomendados de sono impedem o cérebro de eliminar as toxinas associadas ao Alzheimer

Um novo estudo norte-americano aponta que dormir pouco aumenta o risco de desenvolver Alzheimer. Segundo investigadores da Universidade de Saúde e Ciência de Portland, o cérebro costuma eliminar as toxinas associadas ao Alzheimer durante o sono. Testes efetuados em animais mostraram que a falta de descanso conduz à destruição de algumas zonas do cérebro.

“Mudanças nos hábitos do sono podem de facto favorecer a evolução para um estágio de demência”, diz Jeffrey Iliff, cientista da Universidade de Saúde e Ciência de Portland, citado pela NPR. O investigador indica que as novas descobertas explicam que a relação entre o Alzheimer e sono vai além do facto de a doença afetar zonas centrais do cérebro que são responsáveis pela regulação do sono.

“O fluido que normalmente está fora do cérebro, o líquido cefalorraquidiano - que é limpo - começa de facto a circular através do cérebro fora dos vasos sanguíneos”, acrescenta. Jeffrey Iliff refere que o facto de o cérebro, devido à falta de horas de sono, não eliminar as toxinas associadas ao Alzheimer aumenta a probabilidade de desenvolver a doença.

Por isso, a pergunta impõe-se: como prevenir? “Pode ser qualquer coisa, desde fazer exercício físico com mais regularidade ou novos fármacos. Muitos medicamentos para dormir não conduzem particularmente a profundos estágios de sono”, afirma Bill Rooney, diretor do Centro de Pesquisa Avançado da Universidade de Saúde e Ciência de Portland.

Em dezembro, outro estudo da Universidade de Stanford - divulgado no Journal of Clinical Investigation -, chegou a uma conclusão semelhante. Os investidores descobriram que o Alzheimer desenvolve-se quando células do cérebro morrem na sequência do mau funcionamento da célula micróglia, que é responsável pela limpeza de toxinas. O mesmo estudo concluiu que a probabilidade de desenvover a doença aumenta com a idade, uma vez que a ação da proteína EP2 impede que a ação da célula micróglia seja eficiente.