Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Refugiado é mesmo a Palavra do Ano 2015

  • 333

DJORDJE SAVIC / EPA

A cerimónia do anúncio da Palavra do Ano 2015, uma iniciativa do grupo Porto Editora já com sete anos, contou com a presença de Rui Marques, da Plataforma de Apoio aos Refugiados

Refugiado foi eleita a Palavra do Ano 2015, anunciou esta manhã o grupo Porto Editora, que organiza a iniciativa desde 2009. O anúncio foi feito na Biblioteca Municipal José Saramago, em Loures, nos arredores de Lisboa, tendo a palavra refugiado, que desde o início liderou as escolhas dos cibernautas, saído vencedora com 31% dos votos expressos.

Desde o início de dezembro último, quando abriu a votação online em www.palavradoano.pt, participaram na escolha "mais de 20.000" cibernautas, disse à Lusa fonte do grupo editorial.

A cerimónia do anúncio da Palavra do Ano 2015 contou com a presença de Rui Marques, da Plataforma de Apoio aos Refugiados.

À palavra refugiado seguiu-se, em segundo lugar, com 17% dos votos, o vocábulo terrorismo e, em terceiro, com 16% de cliques, acolhimento.

O quarto posto é ocupado por esquerda, com 8% dos votos, logo seguida de drone, com 7%, que ficou a meio da tabela.

Os cinco últimos lugares são ocupados por plafonamento, com 6%, 'bastão de selfie', com menos um ponto percentual (5%), festivaleiro (4%), e os dois últimos, ambos com 3% dos votos, são os vocábulos superalimento e privatização.

No início de dezembro, quando apresentou o vocábulo refugiado para fazer parte da lista das dez palavras a concurso, a Porto Editora realçou o contexto sociopolítico, designadamente "o incremento de conflitos armados e a rápida desestruturação social nos países do Médio Oriente, particularmente na Síria, [que] originou um êxodo massivo de pessoas que, deixando tudo para trás, na esperança de encontrarem um futuro melhor na Europa, arriscam a vida em processos migratórios altamente perigosos, e que muitas vezes têm um final trágico".

A palavra esmiuçar foi a vencedora da primeira edição desta iniciativa, em 2009. Em 2010, ganhou vuvuzela e, em 2011, austeridade. Em 2012, a palavra escolhida foi entroikado e, em 2013, bombeiro. No ano passado, a palavra eleita foi corrupção.