Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Senhor ministro, não me deixe morrer”. O grito que ajudou a curar 651 doentes da hepatite C

  • 333

José Carlos Carvalho

Em fevereiro, o caso de José Carlos Saldanha, doente com hepatite C há 19 anos, impressionou o Parlamento e o país e acelerou a assinatura do acordo que trouxe dois novos medicamentos aos doentes do SNS. O balanço é positivo: de 683 pessoas tratadas, 651 estão curadas

Expresso

“Senhor ministro, não me deixe morrer”. O grito arrepiou o Parlamento, onde o então ministro da Saúde, Paulo Macedo, ouvia a Comissão de Saúde sobre a demora no tratamento de doentes com hepatite C. A voz pertencia a José Carlos Saldanha, o homem que passou 19 dos seus 50 anos de vida a lutar contra a doença. Agora, está prestes a ficar curado.

O caso impressionou e conseguiu que o longo processo de negociações entre o Ministério da Saúde e o Gilead, laboratório que produz dois medicamentos com uma taxa de cura de 90% (sofosbuvir e declastavir), fosse finalmente terminado, apenas um dia depois de Paulo Macedo ter ouvido a comissão de Saúde.

O balanço já pode ser feito e é positivo: conforme noticia o “Diário de Notícias” nesta quinta-feira, a Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) revela que este ano, 651 doentes ficaram curados da hepatite C. Do total de 5322 tratamentos iniciados, 638 já foram concluídos, sendo que apenas 32 dos doentes não estão curados.

José Carlos Saldanha pode vir a ser um dos casos de sucesso. Apesar de só o poder afirmar com certezas a 10 de janeiro, dia da última análise, o médico já adiantou a José Carlos que pode esperar boas notícias. Ao DN, José Carlos afirma que esta também é uma vitória pessoal: “Só fiz a minha parte com a convicção de que temos de lutar até tombar. É claro que esta é uma vitória e sinto que fiz parte desta luta. Mas não estive sozinho”, sublinha.

O pedido de desculpas de Macedo

O acordo entre o Ministério da Saúde e o laboratório Gilead foi assinado em fevereiro, um ano depois do início das negociações. Inicialmente, o laboratório pediu 48 mil euros pelo tratamento de cada doente, sendo que no SNS estão registados 13 mil doentes com hepatite C. Macedo recusou a proposta, que qualificou como inaceitável.

No final do ano passado, o Ministério e o laboratório em causa decidiram pôr em prática uma “solução transitória” que visou tratar os 150 doentes em situação mais grave da lista do SNS. No entanto, o acordo final, cujos valores não foram especificados, só chegou depois da intervenção de José Carlos Saldanha no Parlamento. Na altura, o doente revelou ter recebido um pedido de desculpas da parte de Paulo Macedo, que lamentou a demora.