Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

MUSP acusa anterior governo de prosseguir “políticas neoliberais” que “destruíram” o SNS

  • 333

Paulo Vaz Henriques

O MUSP - Movimento de Utentes dos Serviços Públicos - acusou o anterior Governo de ter feito uma ofensiva contra o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e apelou ao novo ministro da Saúde para disponibilizar todos os meios necessários ao bom funcionamento do mesmo

O Movimento de Utentes dos Serviços Públicos acusou este sábado o anterior Governo de ter feito uma ofensiva contra o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e pediu ao ministro da Saúde que disponibilize todos os meios necessários ao funcionamento do SNS.

Em comunicado, o Movimento de Utentes dos Serviços Públicos (MUSP) apontou que os últimos quatro anos foram de “sucessivos cortes violentos no financiamento e investimento em meios humanos e materiais”, o que provocou uma ausência de “respostas adequadas em todos os níveis da prestação de cuidados médicos à população, bem visíveis no adiamento de consultas, listas de espera para cirurgias e ruturas nos serviços de urgência”.

“A ofensiva contra o SNS conduzida pelo anterior governo resultou claramente das orientações políticas de cariz neoliberal que nortearam toda a ação governativa e visaram, no fundamental, desfragmentar e destruir um serviço público de primeira necessidade para as populações, com o fim último de o entregar ao setor privado e aos grandes grupos económicos a operar nesta área”, acusou o movimento.

Nesse sentido, o MUSP defendeu que é “urgente reverter todas estas gravosas e criminosas medidas”, além de continuar o caminho do melhoramento, tanto no que diz respeito aos direitos e interesses de todos os profissionais, bem como na forma de tratamento dos utentes, para que estes voltem a ter acesso a um serviço de qualidade, “essencial à população portuguesa”.

“Ao novo ministro da Saúde, que parece possuir uma sensibilidade diferente quanto aos desígnios desta importantíssima área da governação, o MUSP apela para que ouse disponibilizar todos os meios necessários ao bom funcionamento do SNS, nomeadamente na sua adequada orçamentação que, com o decorrer dos últimos anos, tem sido sistematicamente esquecida e desadequada”, lê-se no comunicado.

De acordo com o movimento de utentes, a população portuguesa tem enfrentado “graves problemas na área da saúde, principalmente no acesso a cuidados médicos nas urgências”, apontando que se têm vindo a repetir os episódios de mortes de utentes.

“Esta situação resulta da política criminosa levada a cabo pelo anterior governo e seu Ministério da Saúde, que, através de cortes inadmissíveis no SNS em meios humanos e materiais, lhe retirou muita da sua capacidade de resposta”, refere, acusando o anterior executivo de indiferença perante as “constantes chamadas de atenção” do MUSP.

O movimento de utentes disse ainda que não só há utentes que morrem, como há também outros que ficam com sequelas para toda a vida, “nomeadamente nos casos de falta de tratamento dos aneurismas cerebrais”, referindo-se assim ao caso do jovem David Duarte, de 29 anos, que morreu no Hospital de São José, em Lisboa, a 14 de dezembro, por não haver um neurocirurgião para efetuar uma intervenção cirúrgica ao fim de semana.