Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Manuel Clemente lembra refugiados e dever de solidariedade

  • 333

No dia 6 de julho de 2013, D. Manuel Clemente substituiu D. José Policarpo à frente do Patriarcado de Lisboa

Rui Duarte Silva

Na sua mensagem de Natal, o cardeal-patriarca de Lisboa citou o papa Francisco para recordar que a crise dos migrantes na Europa é um problema que exige “a melhor solução”, que “toca a todos” e que implica “empenhamento da sociedade”

O cardeal-patriarca de Lisboa lembrou esta quinta-feira os refugiados dos países em guerra e o dever de todos na melhoria das suas condições de vida, na tradicional mensagem de Natal, a primeira desde a sua designação como cardeal.

“Há muitas pessoas por esse mundo que são particularmente atingidas por conflitos de toda a ordem, queremos estar com eles, também envolvidos e comprometidos na melhoria das condições que lhes permitam viver em paz, em segurança e olhar por si e pelos seus”, afirmou Manuel Clemente na mensagem transmitida pela RTP1.

Evocando Jesus Cristo, também ele um refugiado no Egito “para fugir a uma perseguição”, quando era ainda uma criança, Manuel Clemente disse que a sua referência numa “noite santa”, como a de esta quinta-feira, serve para comprovar “como a humanidade pode, e deve, crescer em solidariedade e em companhia”.

O cardeal-patriarca de Lisboa apelou ao “empenhamento solidário”, lembrando outros 'refugiados': familiares ou vizinhos que procuram ajuda e não a têm.

“Nem sempre são os que vêm de longe que devemos considerar refugiados, porque há muita gente, às vezes perto de nós, não sei se nas nossas próprias famílias, na nossa vizinhança, que também procura refúgio, companhia, conforto, e que não o encontra por variadíssimas circunstâncias da sua vida”, assinalou.

Na sua mensagem, Manuel Clemente citou o papa Francisco para recordar que a crise dos migrantes na Europa é um problema que exige “a melhor solução”, que “toca a todos”, que representa partilha de valores e crescimento mútuo” e implica “empenhamento da sociedade” na resolução dos conflitos nos países de origem (Síria, Afeganistão, Iraque, Eritreia...).