Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

O fim das próximas top models

  • 333

Doze anos e 22 temporadas depois, o maior programa de caça-manequins nos EUA chega ao fim. E o que é feito das vencedoras e vencedores do programa de Tyra Banks, “America's Next Top Model”?

Este ano, chegou ao fim. O programa apresentado pela ex-modelo Tyra Banks que se propunha eleger a manequim mais bela da América termina ao fim de 12 anos, 22 ciclos, com inúmeros conceitos (raparigas, rapazes, Reino Unido vs EUA...), desafios fotográficos, viagens pelo mundo e prémios chorudos. "Fizemos programas de raparigas, rapazes, raparigas e rapazes, não podemos fazer crianças...", gracejou Tyra Banks quando anuciou o fim do programa, este mês. E afinal, o que é feito das vencedoras? O concurso lançou-as efetivamente ou já caíram no esquecimento?

Quando estreou, a 20 de maio de 2003, ninguém conseguia antecipar uma vida tão longa ao programa "America's Next Top Model", mas a verdade é que o último episódio só foi para o ar a 4 de dezembro deste ano. Pelo caminho, gerou um negócio estrondoso: foi transmitido em 170 países, quatro continentes - da Austrália ao Japão, de Taiwan ao Sudoeste Asiático -, ganhando versões nacionais em vários países e mantendo sempre boas audiências. Contou com patrocínios generosos de marcas prestigiadas como a Revlon, a Sephora, a Nine West e a Guess, com prémios monetários a atingirem os 90.700 euros. Há anunciantes que chegaram a pagar 56.142 euros por anúncios de 30 segundos em 2011, durante a exibição do programa.

Estes atrativos, somados a belas viagens a destinos exóticos onde se realizavam as finais, eram mais do que suficientes para interessar milhares de candidatas que queriam ocupar o lugar de "top model da América". Depois do programa, quais foram as que se mantiveram no mundo da moda? Vamos a exemplos.

Em 2003, a primeira vencedora do concurso, Adrianne Curry, uma ex-empregada de mesa de 20 anos de Illinois, não teve um início de carreira fácil. O contrato com a Revlon, que fazia parte do prémio final, não chegou a concretizar-se - a marca não a considerou à altura das suas modelos. Enviada para o estrangeiro, foi-lhe dito em vários castings que era demasiado velha para o mundo da moda e Adrianne acabou falida, sozinha e sem trabalho longe de casa. Culpou Tyra Banks por isso e não voltou a aparecer em novas promoções do programa. Contudo, ainda fez alguns trabalhos no mundo da moda: apareceu nas revistas Life and Style Weekly, US Weekly, Star, OK!, Stuff, Maxim, Marie Claire espanhola, Von Dutch, relógios Von Dutch, Salon City, Macy's, Famous Stars and Straps, Lucky, Ed Hardy, Kinis Bikinis... E protagonizou dois trabalhos para a Playboy que deram brado, em 2006 e 2008.

A manequim teve também várias participações televisivas: no concurso Ballbreakers, na série Half and Half (2003), em Rock Me Baby (2004), em Gameshow Marathon, em 2006. Contracenou na série Dirt com Courteney Cox, e tornou-se mais conhecida com um reality show chamado "My Fair Brady", focado em Christopher Knight (ex-ator de The Brady Bunch) e nela - que se tornaria mais tarde na sua mulher. Ou seja, celebridade sim, moda... nem tanto.

Adrienne Curry, a primeira vencedora do concurso "America's Next Top Model", em 2003

Adrienne Curry, a primeira vencedora do concurso "America's Next Top Model", em 2003

Imeh Akpanudosen

Danielle Evans, vencedora da temporada 6, em 2006, é das poucas vencedoras do American's Next Top Model que se mantém atualmente no mundo da moda. Ao vencer, assinou com a Ford Models e hoje trabalha com a Click Model Management. Apareceu nas revistas Elle, Elle Girl, MetroStyle, In Touch Weekly, Essence Magazine, Seventeen Magazine, The New York Post, CoverGirl Eyewear, entre outras. Desfilou na New York Fashion Week em 2009 e 2011, assim como para a Issue, Victorio & Lucchino, Zang Toi Fall '07, Michael Knight e outras marcas. Consolidou-se efetivamente no mundo da moda.

Danielle Evans, vencedora da temporada 6, ainda se mantém no mundo da moda

Danielle Evans, vencedora da temporada 6, ainda se mantém no mundo da moda

Jason Merritt

Outro nome que continua presente na difícil indústria é o de Teyona Anderson, que venceu a Temporada 12, em 2009. A manequim negra trabalha com a agência Elite Model na Cidade do Cabo (África do Sul) e Nova Iorque. Desfilou em mais de 30 apresentações de criadores no Arise Cape Town Fashion Week, e também participou no South Africa Fashion Week. Na imprensa, Teyona fez editoriais na In Touch Weekly, na revista Seventeen, Glamour sul-africana, Soul Magazine, Edgars Club Magazine e Destiny Magazine.

Teyona Anderson, vencedora do programa de 2009, continua a trabalhar com várias agências de modelos no mundo.

Teyona Anderson, vencedora do programa de 2009, continua a trabalhar com várias agências de modelos no mundo.

Dimitrios Kambouris

Outras vencedoras do programa alargaram as suas áreas de influência para lá da moda. Foi o caso de Brittani Kline, a vencedora da temporada 15, em 2011. Depois de ter fotografado o seu editorial na Vogue Italia (parte do prémio), mudou-se para Nova Iorque e foi o rosto da Benetton numa matéria da Vogue Mexico. Foi também capa da revista Beauty in Vogue. Mas um ano depois do concurso, regressou a casa para terminar a licenciatura em Espanhol e Língua inglesa. Em 2013, regressou às passarelas e desfilou para a Balenciaga e para o designer nepalês Prabal Gurung na semana da moda de Nova Iorque. Também apareceu duas vezes na revista Interview, na casa de luxo sueca Acne Studios e na Bimba y Lola. Escrever faz parte dos seus projetos futuros.

Quem também partilha o mundo da moda com o da representação é Sophie Sumner, a manequim britânica que venceu a temporada 18 do concurso - tornando-se a única premiada não americana. A loura mudou-se para Nova Iorque após vencer o concurso e viu as suas fotos serem publicadas na Vogue Italia em 2012, além de ter sido o rosto do perfume Dream Come True. No mesmo ano, iniciou-se no cinema e na televisão - no filme de Bollywood "Cocktail" -, e atualmente é mais conhecida como apresentadora do programa Music Choice, "The Weekend Countdown". Participou em várias séries de tv, como o reality show "Taking New York", no podcast humorístico "Harry Says Yes", e mantém-se no mundo da moda - em 2012, foi capa da MEG Magazine e um ano depois abriu o desfile do designer de Singapura Frederick Lee, na edição do programa "Asia's Next Top Model".

Sophie Sumner, vencedora em 2012, foi a única não americana a conquistar o primeiro lugar do programa

Sophie Sumner, vencedora em 2012, foi a única não americana a conquistar o primeiro lugar do programa

Ben Pruchnie

Mas houve quem assumidamente mudasse de ramo. A exuberante Lisa D'Amato, que ganhou o formato "All Stars" em 2011, fez ainda vários trabalhos no ramo da moda (editoriais na Vogue Italia, Swindle Magazine, Lemonade magazine, campanha publicitária de Black Chandelier, desfiles para Ford Fusion, Jared Gold, etc...), mas dedica-se hoje sobretudo à sua carreira musical. Tem já dois álbuns gravados (La Puchinetta, 2009, e Flippin' the Bird, 2011) e faz atuações ao vivo. Tem ainda um podcast na rádio, em Los Angeles. Casou e tem um filho.

Lisa D'Amato lançou-se no universo musical. Tem já dois discos editados

Lisa D'Amato lançou-se no universo musical. Tem já dois discos editados

Jason Merritt

Saleisha Stowers, vencedora do programa em 2007, migrou para o mundo da representação. Fez vários trabalhos de moda (foi capa da Paper Doll Magazine, da Florida International Magazine, teve um editorial na In Touch Weekly, OK!, desfilou para a marca Tibi na Semana da Moda Mercedes-Benz, em 2008, para a Semana da Moda de Nova Iorque e de Los Angeles, em 2009...) e em 2013 estreou-se nas séries televisivas. A sua primeira aparição foi em "Prospect Park's" e este ano surgiu num episódio da série "Switched at Birth". Integra agora o elenco de "Days of Our Lives".

Outro exemplo de sucesso na história do programa é o de Nyle Di Marco, o segundo vencedor masculino nas 22 temporadas do "American's Top Model" (houve três edições mistas, as três últimas, duas destas foram vencidas por homens). Licenciado em Matemática, e surdo, o manequim virou-se rapidamente para a representação após vencer o concurso. Foi protagonista do filme independente "In the Can alone again", em linguagem gestual.

Nyle di Marco, o último vencedor do programa de Tyra Banks (as últimas edições foram mistas)

Nyle di Marco, o último vencedor do programa de Tyra Banks (as últimas edições foram mistas)

Jason Kempin

E há sempre, claro, quem não tenha usado a sua vitória no "American's Next Top Model" para fazer carreira. É o caso da bela McKey Sullivan, que ganhou a temporada 12 do concurso, em 2008. Apesar de ainda ter feito alguns trabalhos de moda (capas da Forest & Bluff Magazine, Nylon Magzine, em 2009, Chicago Scene, Vogue Knitting Magazine 2009, Marie Claire 2009, e de ter desfilado na semana da moda internacional de Amesterdão, em 2009, na semana da moda Mercedes-Benz do mesmo ano, e na semana de Trinidad e Tobago), a carreira ficou para trás depois de McKey ter decidido casar e ter dois filhos. Hoje, é a orgulhosa mãe de dois rapazes.

McKey Sullivan, vencedora da temporada 12 (2009), é hoje a orgulhosa mãe de dois filhos. A moda ficou em segundo plano

McKey Sullivan, vencedora da temporada 12 (2009), é hoje a orgulhosa mãe de dois filhos. A moda ficou em segundo plano

Jemal Countess