Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Portugal já tem um mini Special One

  • 333

Artur Jorge é o novo nº1 da formação de Inglaterra

D.R.

Na hora da despedida de Mourinho, Artur Jorge Alves, bracarense de 32 anos, foi eleito pela Federação Inglesa de Futebol o melhor treinador dos escalões da formação em terras de Sua Majestade

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Chama-se Artur Jorge Alves, mas nos meandros das escolas de formação de futebol é conhecido por Jorge ou Special One dos minis, alcunha que começou a ouvir quando há três anos começou a treinar pelo simples facto de ser treinador e português.

Eleito esta semana o melhor treinador de formação de clubes não profissionais pela Federação Inglesa de Futebol (FA), o epíteto ganhou novo sentido, mesmo que o autêntico Special One seja agora também conhecido por Special Gone, após a queda em desgraça junto do patrão do Chelsea.

O Mini Soccer Coach of the year foi escolhido entre 18 treinadores, numa cerimónia que decorreu em St. George Park. Artur Jorge trabalha há quatro anos nos escalões de formação dos 5 aos 11 anos no Greenhouse Sports Football Club, na categoria Grassroots, que abrange os clubes de futebol não profissional de Inglaterra.

Natural de Braga e ex-aluno da Escola Superior de Desporto e Lazer do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Artur confessou-se surpreso na hora de receber o prémio, tendo recebido os maiores elogios do líder do seu clube. “O Jorge merece este momento. Não há muitos profissionais como ele a ensinar jogadores até aos 11 anos”, referiu Matthew Shobande, que destacou a paciência e os níveis de exigência do português.

Numa breve troca de emails, Artur contou ao Expresso que logo que chegou ao clube começou a ser chamou de Special One dos minis. “Inicialmente pelo simples facto de sermos ambos portugueses e mais tarde julgo que também pelo meu trabalho”, diz o técnico que estagiou em algumas escolas de futebol londrinas após ter concluído a licenciatura em desporto, na vertente futebol, em Viana do Castelo.

A opção de ser treinador da formação e em equipas não profissionais não aconteceu por acaso mas por paixão. “É o que sempre desejei para o meu futuro profissional. Adoro o trabalhar jovens jogadores e sinto-me realizado quando os vejo a desfrutar tanto como eu de cada treino ou jogo.”

Greenhouse, um clube solidário

Apesar de não ter queixas da Greenhouse, se pudesse escolher a próxima etapa, o treinador nº1 dos pequeninos em Inglaterra gostaria de estar envolvido num projeto mais sólido e com outras condições de trabalho para poder aprender o máximo possível e melhorar a cada dia.

“A Greenhouse tem sido fantástica comigo. A organização apostou muito na minha formação e sempre me apoiou bastante nos últimos quatro anos.” A empresa privada, que há quatro anos comprou um clube de futebol, tem por função social incentivar miúdos de algumas das zonas complicadas da cidade: “Ajuda-os a criar hábitos de vida saudáveis através de vários desportos, um dos quais é o futebol”.

Localizada em South East London, na zona de Lambeth, o clube vive, segundo Artur, de generosos donativos de grandes empresas privadas.

O mais recente treinador premiado em terras de Sua Majestade estreou-se no futebol aos cinco anos, jogando a médio-esquerdo e mais tarde a lateral-esquerdo. No Merelinense FC, nos arredores de Braga, percorreu todos os escalões de formação, clube a que regressaria uns anos depois para ingressar na equipa sénior de futsal.

Foi ainda no Merelinense que iniciou a carreira de treinador, antes de partir para Londres. Além das inevitáveis associações a José Mourinho, Artur Jorge é amiúde carregado com perguntas sobre Cristiano Ronaldo pelos seus pequenos jogadores. “Perguntam-me se já o vi pessoalmente, se o conheço ou se sou primo dele. O normal, em crianças desta idade.”