Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Mau tempo: 16 desalojados e quatro feridos nos Açores

  • 333

António Araújo/Lusa

Por causa do mau tempo, a Proteção Civil dos Açores registou um total de 146 incidentes

A Proteção Civil dos Açores anunciou esta segunda-feira que o mau tempo que assola o arquipélago provocou 16 desalojados e quatro feridos, um dos quais grave, num total de 146 incidentes.

Dos 16 desalojados, todos na ilha de São Miguel, cinco estão em Ponta Delgada e já foram realojados. Dos restantes 11, seis foram entretanto realojados pela Câmara Municipal da Ribeira Grande, restando resolver cinco casos, adiantou à Lusa fonte da Secretaria Regional da Saúde, que tutela a Proteção Civil nos Açores.

Um comunicado da Proteção Civil emitido às 18h48 (mais uma hora em Lisboa) referiu que há registo de quatro vítimas, entre as quais um ferido grave, atingido por uma onda na orla costeira.

Relativamente às estradas, segundo a mesma nota, continuam encerradas várias artérias nas ilhas de São Miguel e Terceira, com destaque para vários troços na Avenida do Mar, em Ponta Delgada, a estrada entre o Nordeste e Água Retorta, a estrada regional entre a Silveira e São Mateus da Calheta e a estrada de ligação dos Salgueiros a São Sebastião "devido à queda de árvores e de um muro".

A empresa pública que gere os portos nos Açores adiantou, num comunicado de imprensa, que nas imediações do Porto de Ponta Delgada foi encerrada ao trânsito a Avenida Abel Férin Coutinho, em virtude da ação do mar, que com ondas superiores a nove metros projetou para a via de circulação automóvel pedras de variadas dimensões e inundou o edifício de exploração do Porto de Ponta Delgada.

Segundo o comunicado da Portos dos Açores, "a situação mais gravosa" ocorreu junto à cabeça do molhe, "com o derrube de parte do muro cortina, sendo que ocorreram outros pequenos derrubes no coroamento do muro cortina, numa extensão ainda por avaliar".

Galgamentos generalizados do mar também foram registados no Porto de Vila do Porto (ilha de Santa Maria), no Porto das Pipas e na Marina de Angra do Heroísmo (ilha Terceira), no Porto da Calheta (ilha de São Jorge), no molhe de proteção exterior do Porto das Lajes do Pico (ilha do Pico) e no molhe-cais do Terminal Marítimo de Passageiros do Porto da Horta (ilha do Faial).

"De todas estas situações os efeitos apenas serão devidamente analisados depois da acalmia meteorológica, que se prevê para as próximas horas, sendo apenas de salientar que a ocorrência mais expressiva se deu no Porto das Pipas, onde há danos em alguns dos espaços comerciais ali implantados, bem como no edifício de controlo da Marina de Angra", acrescentou o comunicado de imprensa da Portos dos Açores.

Relativamente às escolas, que esta segunda-feira estiveram encerradas, a Secretaria Regional da Educação e Cultura anunciou ao início da noite a reabertura, na terça-feira, da rede pública, bem como das instalações desportivas na sua dependência, "atendendo às melhorias previstas no estado do tempo para os Açores".

Também ao início da noite, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) diminuiu, de vermelho para amarelo, o nível de aviso meteorológico nos grupos central e oriental do arquipélago dos Açores para agitação marítima e vento.

O Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Ponta Delgada tem estado entretanto a coordenar, desde as 14h40 locais, uma operação de retirada do tripulante de um veleiro francês que está a navegar a lesta da ilha de São Miguel, depois de o homem ter sofrido "um acidente a bordo".

Já foi destacado para o local um navio e foi solicitado um helicóptero, mas aguarda-se a melhoria das condições meteorológicas para efetuar o resgate.