Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Inflação de notas persiste em 14 escolas

  • 333

Externato Ribadouro, no Porto, é um dos colégios repetentes na lista

Ministério da Educação prometeu investigar, mas as escolas que estão entre as 10% com maiores desvios são as mesmas há cinco anos. E as que são mais exigentes também se repetem

Isabel Leiria

Isabel Leiria

texto

Jornalista

Isabel Paulo

Isabel Paulo

texto

Jornalista

Ana Serra

Ana Serra

infografia

Não se conhecem os resultados dos quatro processos de inquérito, abertos em julho pelo Ministério da Educação (ME), para apurar “indícios de responsabilidade disciplinar” em escolas que sistematicamente inflacionam as notas dos seus alunos. Mas o que os dados atualizados para 2014/15 mostram é que os estabelecimentos de ensino mais “benevolentes” nas notas ou que, na definição da tutela, “estão a utilizar critérios de avaliação do desempenho escolar dos seus alunos muito diferentes” do conjunto das restantes escolas são sempre os mesmos.

Olhando para os últimos cinco anos letivos, há 14 escolas, a maioria privadas e do Norte, que estiveram sempre entre as 10% com desvios maiores das notas internas. Para o indicador de “alinhamento”, disponível no portal Infoescolas, o ME não se limita a calcular a diferença entre as classificações dadas pelos professores e as que os alunos conseguem nos exames.
Sabendo que uma certa diferença é normal — já que na avaliação de escola entram outros parâmetros não medidos nos exames —, são calculadas médias de desvios para o país. Por exemplo, os alunos que têm um 13 numa prova nacional que nota recebem em média dos seus professores? E face a essa diferença, que é aceitável, como se comporta cada escola? Afasta-se ou aproxima-se desse desvio?

Ana Serra

O Expresso contactou o Externato Ribadouro, no Porto, que integra esta lista e que tem o maior número de provas realizadas em todo o país, para saber o que está por trás desta diferença recorrente, mas a direção não quis falar. O colégio portuense é muito procurado por estudantes que querem entrar em cursos onde todas as décimas contam, como Medicina ou Arquitetura.

É um facto que no Externato Ribadouro os alunos são muitos e bons. Na 1ª fase dos exames, houve 18 notas 20, um recorde no país. A questão é saber se os professores dão também uma ajuda nas notas internas. E nas escolas concorrentes da cidade, a benevolência dos docentes é criticada em surdina.

Assim como existem estes exemplos, há outros estabelecimentos de ensino, neste caso a maioria públicos, em que os professores são muito mais exigentes do que a média. E também aqui os nomes repetem-se ao longo dos anos.