Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Isabel dos Santos reage às acusações de corrupção: “Os investimentos são transparentes”

  • 333

Rui Duarte Silva

Nome da empresária angola surge na lista dos 15 casos “mais simbólicos da grande corrupção” em todo o mundo em votação na página da ONG Transparência Internacional. Isabel dos Santos reage em comunicado

Os investimentos realizados por Isabel dos Santos “têm sido apresentados com máxima transparência”. Em comunicado, a empresária angolana diz que é “falsa” a informação “veiculada nos últimos dias”.

“Isabel dos Santos é uma empresária independente e uma investidora privada, representando unicamente os seus próprios interesses. Os investimentos de Isabel dos Santos em empresas angolanas e/ou portuguesas são transparentes e têm sido realizados através de transações baseadas no princípio de plena concorrência, envolvendo entidades externas, tais como reputados bancos e escritórios de advogados.”

No mesmo texto é sublinhado que devido aos seus investimentos, Isabel dos Santos está “ sob o rigoroso escrutínio de vários reguladores”. E reforça que estes têm sido “apresentados com máxima transparência” e realizados “de forma privada”, não envolvendo “a utilização de quaisquer fundos públicos”. “Todos os investimentos e negócios de Isabel dos Santos são unicamente financiados por private equity, banca comercial e dividendos pagos pelas empresas.”

A empresária angolana detém em Portugal participações em empresas como o Banco Português de Investimento, BIC, Galp Energia e NOS.

Na passada quarta-feira, a Transparência Internacional, uma organização não governamental, escolheu os 15 casos “mais simbólicos da grande corrupção” em todo o mundo. Isabel dos Santos e o Banco Espirito Santo estão entre os eleitos. Foi definido como critérios o uso da posição de último beneficiário em operações de offshore ou em participações de sociedades anónimas, abusos de direitos humanos e escala da corrupção envolvida.

Segundo a ONG, a grande corrupção “é o abuso do poder de alto nível que beneficia poucos em detrimento de muitos”, causando prejuízos graves e ficando, muitas vezes, impune.

Presidentes, petrolíferas, políticos e o BES estão na lista

A votação dos 15 casos “mais simbólicos da grande corrupção” começou na passada quarta-feira, em que se assinalou o Dia Internacional contra a Corrupção, e termina a 9 de fevereiro de 2016 neste site. Depois, a ONG lança um debate sobre a forma como punir o corrupto mais votado.

Além de Isabel dos Santos surgem ainda na lista em votação o Banco Espírito Santo, a petrolífera brasileira Petrobras, o presidente da Guine Equatorial, Teodoro Obiang, a Federação Internacional de Futebol (FIFA) e o político da República Dominicana Felix Bautista.

Os antigos presidente da Tunísia, Ben Ali, do Panamá, Martinelli, do Egipto, Mubarak, e da Ucrânia, Yanukovych, a empresa governamental chinesa de infraestruturas, o estado norte-americano de Delaware, por permitir o registo anónimo de empresas, a fundação da Chechénia Akhmad Kadyrov, a corrupção sistémica nas instituições no Líbano e a junta governamental da Birmânia são outros dos 15 casos “mais simbólicos da grande corrupção”.

Na página da internet da Transparência Internacional, o presidente desta ONG, José Ugaz, apela ao voto, considerando-o importante no combate à grande corrupção. “O seu voto é importante. Juntos, podemos fazer entender os governos da urgência em agir e fazer parar esta doença”, disse José Ugaz, adiantando que a capacidade de agir com impunidade tem de acabar.

O responsável afirmou ainda que, identificados os maiores símbolos do mundo de grande corrupção, vai propor sanções penais e outras para quem praticou estas ações. Com sede em Berlim, a Transparências Internacional é uma ONG que tem como principal objetivo a luta contra a corrupção, sendo a representante em Portugal a TIAC - Transparência e Integridade, Associação Cívica.