Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Portugal desce 10 lugares no ranking do combate às alterações climáticas

  • 333

Do 9º para o 19º lugar é a queda registada por Portugal no "Índice de Desempenho de combate às Alterações Climáticas", apresentado na Cimeira de Paris, esta terça-feira. O ranking, elaborado pela Rede Europeia de Ação Climática e pela German Watch, coloca a Dinamarca, o Reino Unido e a Suécia como aqueles que demonstraram melhor performance entre 58 países industrializados. Mas o pódio ficou vazio

Carla Tomás

Carla Tomás

Jornalista

Portugal caiu 10 lugares abaixo da posição ocupada em 2014 no "Climate Change Performance Index". Passou de 9º para 19º lugar em termos de desempenho no combate às alterações climáticas, numa lista que avalia o que tem sido feito pelos 58 países mais industrializados — em conjunto responsáveis por 90% das emissões de dióxido de carbono e outros gases de efeito de estufa. O relatório elaborado pelo Think Tank que junta a Rede Europeia de Ação Climática e a organização não governamental German Watch foi anunciado na COP 21, em Paris, esta terça-feira.

A queda de Portugal — que assim passou de uma classificação "boa" para uma "moderada" — tem na sua base três razões essenciais: "Uma forte penalização das emissões, associadas à deflorestação e degradação da floresta, devido aos incêndios; o facto de nos termos atrasado a formalizar o contributo nacional (€2 milhões) para o Fundo Verde do Clima da ONU; e o facto de, apesar de termos sido campeões europeus na ambição das metas para a eficiência energética, pouco ou nada termos feito de concreto", explica Francisco Ferreira, investigador do Centro para a Sustentabilidade Ambiental (CENSE), da Universidade Nova de Lisboa e ex-dirigente da Quercus.

Os indicadores para se tirarem estas constatações foram retirados dos relatórios da FAO (organização da ONU para a Agricultura) sobre Recursos Florestais Globais, e da Agência Internacional da Energia. A análise final contou com a colaboração de mais de 300 peritos, entre os quais Francisco Ferreira.

Se é certo que 66% da energia elétrica consumida em Portugal tem por base fontes renováveis (hídrica, eólica e solar), os peritos também constataram que "houve um desinvestimento nesta área face ao crescimento que se estava a verificar anteriormente", acrescenta o especialista, que faz parte da delegação nacional presente na Cimeira do Clima. Por outro lado, o uso de carvão continua a ter grande peso nas centrais térmicas portuguesas do Pego e de Sines; e somos pouco eficientes, porque continuamos a usar mais energia por produto interno bruto (PIB).

Para este ranking de nada valeu a Portugal ter-se mostrado "um país ambicioso nas metas de energia e clima para 2030 à escala europeia, o que revela alguma injustiça", conclui o académico português.

Zero no pódio

Não há qualquer país nos três primeiros lugares do "Índice de Desempenho de combate às Alterações Climáticas". "Nenhum país fez o suficiente para prevenir os perigosos impactos das alterações climáticas", esclarece o relatório. O vazio deixado nos lugares de pódio não é novo. É assim desde que o ranking começou a ser elaborado pelo think Tank, há 11 anos.

A Dinamarca é a primeira da lista, mas num honroso 4º lugar que ocupa há cinco anos devido às suas políticas (postas em prática) de eficiência energética e de aposta nas energias renováveis, o que coloca o que a torna um modelo a seguir. Em quinto e sexto lugares surgem o Reino Unido e a Suécia, que trocaram de posições face ao ano anterior. E em sétimo aparece a França, que trepou seis lugares, tendo registado uma quebra na tendência crescente de emissões e posicionando-se dentro do G7 como o país que tem as menores emissões de CO2 per capita.

Os EUA e a China, os dois principais emissores de CO2 do mundo, aparecem em 34º e 47º lugar respetivamente, tendo o primeiro subido 12 posições e o segundo deixado o último lugar da tabela. A quebra no consumo de combustíveis fósseis e a aposta nas energias renováveis contribuíram para o salto registado pelos dois.

O Índice de performance climática, agora apresentado na COP21, sublinha também que se registam "sinais de abrandamento ou mesmo de paragem no crescimento das emissões" de gases de efeito de estufa na generalidade dos 58 países avaliados, acabando com a tend~encia crescente registada até 2013. Paralelamente, verifica-se um crescimento rápido e positivo das energias renováveis a nível internacional, que contribuem para cerca de 59% da capacidade adicional de energia elétrica produzida.