Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Templo mórmon nasce no Parque das Nações

  • 333

Projeto do primeiro templo mórmon em Portugal

Primeiro templo mórmon em Portugal em terreno que a junta de freguesia preferia usar para desporto

Nas ombreiras das janelas estarão representados os retorcidos típicos do manuelino português. E é só. Na arquitetura do primeiro templo mórmon em Portugal nada mais lembrará a cultura nacional, seguindo as normas desta religião que surgiu nos Estados Unidos, no século XIX. Para os cerca de 42 mil fiéis portugueses que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias diz reunir, aquele será um espaço sagrado, à imagem dos outros 148 espalhados pelo mundo, dos quais só 14 na Europa.

A previsão é de que o edifício — cujo custo a igreja não quer revelar — esteja pronto em 2018. Para a cerimónia de lançamento da primeira pedra no próximo sábado, 5 de dezembro, foram convidados representantes de todas as outras confissões religiosas. Será o primeiro passo visível de um anúncio com cinco anos. Localizado em Lisboa, no Parque das Nações, em frente ao Mercado de Moscavide, o templo terá uma área equivalente a dois campos de futebol e, incluindo a torre de 43,6 metros, a altura de um edifício de cinco andares. No topo, dourada, uma estátua do anjo Moroni, um profeta que para os mórmones simboliza a difusão do Evangelho.

O problema é que o terreno do templo, pertencente à Parque Expo, estava dividido em duas parcelas, uma das quais destinada a ser ocupada por um equipamento desportivo e a Junta de Freguesia defende que “deveria ter sido mantido esse uso”.

Diferentes das igrejas católicas, estes espaços estão encerrados aos domingos e não são vocacionados para a visitação generalizada: só entram mórmones batizados com mais de 12 anos. Servem para a reafirmação dos ensinamentos cristãos e para a criação de compromissos como os casamentos, chamados “selamentos” nesta religião por, acreditam os fiéis, serem capazes de unir os membros de uma família para lá da morte. Até o templo de Lisboa estar concluído, os mórmones portugueses que quiserem casar terão de se deslocar a Madrid. Porque, em França também ainda não há um templo.

Terreno em Lisboa onde será construído o primeiro templo mórmon em Portugal

Terreno em Lisboa onde será construído o primeiro templo mórmon em Portugal

José Carlos Carvalho

Cartão para entrar

As portas só estarão abertas aos fiéis dotados de um cartão, pessoal e intransmissível, renovado a cada dois anos, sendo preciso, ainda, passar por uma avaliação, rubricada por um superior. E quem entrar tem de assumir um compromisso de sigilo sobre o que vir no interior. Em Portugal, a prática religiosa quotidiana é desenvolvida nas 60 capelas que existem no país.

Obras como as da construção do edifício português só avançam se a igreja tiver dinheiro disponível, não se pondo a hipótese de um empréstimo bancário. Questionado sobre o custo do edifício em Lisboa, Paulo Adriano, diz que estarão em causa “vários milhões de euros”. Questionada, a Worx, consultora imobiliária, explica que só o terreno estará avaliado entre 600 e 750 mil euros.

Os mórmones não fumam, não bebem álcool, chá ou café. Adeptos da castidade, casam-se sem prévias experiências sexuais. E acreditam na vida extraterrestre. Um domingo a cada mês devem jejuar. Todos os meses doam um décimo dos seus salários à igreja. O sacerdócio é voluntário, não remunerado e está reservado aos homens. A principal missão feminina deve ser a educação das numerosas crianças que caracterizam estas famílias.

Esta religião começou nos Estados Unidos em 1830, depois de Joseph Smith, aos 15 anos, ter garantido que viu Deus e Jesus num bosque. A sua missão seria restaurar a igreja nos moldes em que era vivida nos últimos dias de Cristo. E, embora os representantes da confissão sublinhem a importância de referir-se à orientação religiosa pelo seu nome completo de Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, mórmones é a forma como os fiéis são conhecidos. Palavra que se deve ao Livro de Mórmon, que terá sido escrito pelo profeta do mesmo nome.

Estima-se que existam cerca de 14 milhões de mórmones em todo o mundo. Vieram para Portugal apenas em 1974 quando passou a haver liberdade religiosa. Garantem ter abandonado a poligamia desde 1890, embora esta prática ilegal ainda seja associada à confissão. Apesar das normas rígidas, os mórmones não estão imunes às mudanças da sociedade. Recentemente, perderam 1500 membros numa resignação maciça em Salt Lake City, cidade fundada pela comunidade em 1850. O êxodo foi uma resposta à decisão da hierarquia de não batizar até à maioridade as crianças filhas de casais do mesmo sexo. Mas, para o professor da Universidade Lusófona e investigador de Ciência das Religiões, Paulo Mendes Pinto, “embora não haja números concretos por os Censos a incluírem nas confissões protestantes, esta é provavelmente a orientação com maior crescimento”.

Adeptos do proselitismo, os mórmones crescem, sobretudo, devido às ações missionárias. Segundo Paulo Adriano, 380 jovens de vários cantos do mundo estão em Portugal para tentar converter os portugueses. E 70 portugueses estão fora do país com a mesma missão. Outra característica dos mórmones é a pesquisa sistemática de registos genealógicos em todo o mundo, que depois de microfilmados, são armazenados num bunker à prova de ataques nucleares, 200 metros abaixo das Montanhas Rochosas, no Utah, onde 70% dos habitantes serão fiéis desta orientação religiosa.