Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Está aberta a época de caça... no prato

  • 333

d.r.

De norte a sul, dezenas de restaurantes afinam as suas ementas tendo em conta a oferta de produto proveniente da caça. Mais conhecidos ou quase perdidos no interior de Portugal, estes são espaços procurados por caçadores… de boa comida!

Paulo Brilhante, com Ana Maria Fonseca e Filipa Alexandra Oliveira

Arroz de pombo bravo, perdiz frita, faisão no forno, galinhola, coelho à caçador, lebre com feijão, javali na púcara ou veado estufado são alguns dos pratos que pode encontrar nos diversos restaurantes que, aberta a época de caça, fazem questão de brindar os clientes com uma oferta certeira, como um tiro no prato. Siga a rota Boa Cama Boa Mesa.

Sugestões

Clube de Caçadores

Fica muito perto do aeródromo de Viseu, mas nem precisava desta referência para chegar a um dos mais conhecidos restaurantes da região. Como o próprio nome indica, aqui a especialidade é a carne de caça. A decoração é alusiva a esse desporto. Espingardas e outros objetos estão espalhados um pouco por todo o lado. A ementa segue a mesma linha e apresenta, regularmente, pratos como arroz de perdiz (€20,50) e javali na púcara (€9,80).

Muna, Viseu. Tel. 232 450 401

Pompílio

Negócio familiar gerido por dois irmãos orgulha-se de servir consistentemente os melhores produtos regionais confecionados por mãos apuradas e muito conhecedoras do tempero alentejano. Por estes dias são imperdíveis, a perdiz, o pombo bravo estufado (€12,80), a feijoada de lebre ou o arroz de coelho bravo (€24). Garrafeira muito competente, com oferta excecional de vinho a copo.

Rua de Elvas, 96, São Vicente, Elvas. Tel. 268 611 133

O Mário

Com 42 anos de portas abertas e mesas postas, este restaurante é uma referência na Cova da Beira, apresentando uma ementa extensa e variada, destacar os produtos regionais e sazonais, dos cogumelos e míscaros às cerejas. Como é fácil de adivinhar, a caça também integra a oferta do espaço, com destaque para o arroz de lebre e o coelho à caçador (ambos a €15).

EN 18, Cruzamento de Alcaria, Fundão. Tel. 275 750 001

Afonso

Já celebrou 60 anos de existência, mas parece que a idade não passa por esta casa, sempre em atualização. No centro da localidade de Mora, vai já na segunda geração, pertencendo a dois irmãos, um mestre dos tachos e panelas, outro especialista em receber os clientes. A perdiz à Dona Bia (€23,50), a primeira cozinheira continua como valor seguro e impossível de retirar da carta. Na ementa encontra ainda coelho à caçador e açorda de perdiz (ambos a €14),mas também ensopado de lebre e arroz de pombo bravo (ambos a €18).

Rua de Pavia, 1, Mora. Tel. 266 403 166

Pavilhão de Caça

Como o nome indicia, este não é um restaurante de época. Ao longo de todo o ano, aqui encontra vários pratos de caça. É quase um templo para os apreciadores. O espaço é simples, sem grandes alaridos decorativos, ainda que a caça e os caçadores estejam devidamente representados. A perdiz à caçador e os lombinhos de veado têm clientela fixa, ainda que a perdição maior é o faisão no forno (€40).

Rua Gonçalves Zarco, 2516, Santa Cruz do Bispo, Matosinhos. Tel. 229 955 107

O Caçador

O restaurante O Caçador aposta na boa cozinha regional e num ambiente simples, mas aconchegante. Com pratos de diária e serviço à lista, sempre que possível alia os melhores sabores tradicionais a ementas em conta e em quantidades generosas. Para além de algumas surpresas, que só depois das caçadas se podem descobrir, a casa serve, por encomenda, uma excelente lebre estufada (€40). Convém reservar, antes de ir.

Avenida das Tílias, 42, Penamacor. Tel. 277 394 143

A Maria

Está-se dentro deste restaurante como se estivesse no meio de uma tradicional rua do Alentejo. A decoração foi pensada para elogiar a região e os pátios antigos, com a roupa estendida a corar e as flores na janela. Das mãos da Dona Maria saem obras-primas que elogiam todos os dias a gastronomia tradicional. Perdiz estufada e lebre com feijão, repolho e nabo (ambos a €25) são sugestões imperdíveis.

Rua João de Deus, 12, Alandroal. Tel. 268 431 143

Solar Bragançano

Os tetos, espaço e soalho deste antigo solar do século XVIII mantêm-se intactos. Por toda a parte se respira história: na decoração clássica, na música virtuosa a embalar a refeição, nas panelas de ferro e na carta, que preserva a identidade da região. Uma das formas de o fazer é com a excelente aposta nos tradicionais pratos de caça, que já se tornaram uma marca deste acolhedor restaurante. Destaque para a perdiz com uvas e frutos silvestres, para o javali à campesino, em pote de ferro, para o veado à D. Teodósio e para o coelho bravo (€14).

Praça da Sé, 34, 1º, Bragança. Tel. 273 323 875

A Cavalariça

É uma casa de espírito familiar a ocupar o espaço de uma antiga cavalariça, que se assume num serviço atencioso. A decoração é simples e rústica, mas o que aqui importa são os sabores regionais alentejanos e, no caso específico, os da caça. A açorda de perdiz e o coelho bravo frito (€32) são especialidades deste restaurante, sem esquecer o sempre apetecível javali estufado (€14).

Rua do Poço, 14, Entradas, Castro Verde. Tel. 286 915 491

Fialho

O clássico dos clássicos, em Évora. Ícone da gastronomia, mestre de gerações inteiras de cozinheiros e o restaurante preferido de presidentes, monarcas e outras figuras que apreciam o requinte, a qualidade e a genuína comida regional, o Fialho é também casa de caça e de caçadores. A perdiz à Convento da Cartuxa (½ dose, €14) é um prato obrigatório, sem demérito para o arroz de pombo (€17,50) e para a excelente garrafeira.

Travessa das Mascarenhas, 16, Évora. Tel. 266 703 079

Propostas

Tiros certeiros em Lisboa

Aventure-se pelos aromas, sabores e a adrenalina de caçar à mesa de cinco restaurantes da capital. Está aberta a época da caça!

Aliada a uma deslumbrante vista sobre a cidade, o restaurante Varanda de Lisboa (Hotel Mundial, Praça Martim Moniz, 2, Lisboa. Tel. 218842000) apresenta a sua tradicional Quinzena de Caça. Terrine de coelho com alho-porro e romã, ou Creme de cogumelos com crocante de bacon, de entrada; Perdiz glaceada com chutney de cebola roxa, cogumelos e puré de batata ou Lebre recheada com foie gras, feijão branco, toucinho fumado e espargos verdes, como prato principal são as propostas disponíveis até 29 de novembro. O menu, composto por amuse bouche, entrada, prato principal, sobremesa e bebidas fica por €30 por pessoa e está disponível ao almoço e ao jantar.

Noutro cenário, o do Tivoli Palácio de Seteais (Rua Barbosa Du Bocage 8, Sintra. Tel. 219 233 200), uma sala aristocrática recebe pratos de caça a harmonizar com uma criteriosa seleção de vinhos até sexta-feira (20 de novembro), num tributo à cozinha portuguesa, inspirada em sabores únicos entre o prato e o copo. A carta é extensa pelo que ficam apenas algumas sugestões, como mini alheira de caça com ovo de codorniz e espinafre vermelho (€7,50) acompanhada por Chitas, DO Colares, Branco, nas entradas, e Estufado de veado com vinho do Porto, polenta frita e frutos silvestres (€21), que harmoniza com um tinto do Douro, Vinha Grande, enquanto o Tachinho de feijoada de lebre com lombardo e enchidos caseiros (€17) casa na perfeição com o tinto alentejano Monte do Cabeção.

Na Cruz Quebrada, o nome dissipa quaisquer dúvidas. No restaurante O Caçador (Rua Bento de Jesus Caraça, 10 A, Linda-a-Velha. Tel. 21 419 6309) a caça é o ‘prato do dia’, principalmente nesta época. Conhecida pela sua gastronomia caseira e de sabor nortenho. Com farta ementa, a apostar em todas as vertentes, dos diversos arrozes aos peixes e mariscos, no que toca à época a referência maior vai para o coelho frito ao alho e para o arroz de coelho (€20), uma das especialidades da casa, a alinhar com uma excelente garrafeira.

Já para os lados de Alcântara, o tradicional Solar dos Nunes (Rua dos Lusíadas, 68/72, Lisboa. Tel. 213 647 359) sugere Coelho bravo frito (€14,50) e Lombinho de javali grelhado (€14,50) para celebrar a época à mesa. De origens alentejanas, este restaurante aposta forte nos sabores da região e da caça, cruzando especialidades como as açordas e o porco preto com a perdiz em diversas confeções (desde 24,50) e a Lebre na panela com feijão branco (14,50) entre outras propostas.

Não é fácil encontrar locais que sirvam galinhola. O restaurante Cimas (Avenida de Sabóia, 9, Estoril. Tel. 214 680 413) tem Galinhola à English Bar (€38) todo o ano, mediante reserva, para deleite dos apreciadores desta ave que chega à mesa inteira, bico incluído. Há ainda outras abordagens à caça, como a Perdiz ao Madeira ou de escabeche (ambas a €28), Lebre com feijão (€28) e a Favada de caça (€30). A decoração clássica liga na perfeição com a tradição à mesa.

Mora, capital gastronómica da caça

Amada por uns e odiada por outros, a caça nem à mesa consegue ser consensual. Indiferente a modas, Mora, no Alentejo, dedica uma quinzena a esta gastronomia tradicional de sabor intenso, servindo pratos de caça em 12 restaurantes do concelho. Para experimentar ou desfrutar, entre 28 de novembro a 13 de dezembro, a mostra gastronómica centra-se nos pratos típicos desta região do norte alentejano. Coelho bravo assado na brasa, patê de coelho, patê de javali, lombos de veado, pombos bravos com toucinho, ensopado de veado, javali no forno, lebre com feijão branco ou coelho de vinagrete são alguns dos pratos à prova.

A caçada acontece nos restaurantes o Solar da Vila, A Palmeira, o Fluviário e Arcos, todos em Cabeção; O Poço, na freguesia de Brotas; O Afonso, O António, O Morense, O Solar dos Lilases e a Quinta do Espanhol, na freguesia de Mora; e o Solar de São Dinis e O Forno, ambos em Pavia. A Mostra Gastronómica de Caça é organizada pela autarquia de Mora.

“Boa Cama Boa Mesa” na SIC Notícias: Descobrir Viana do Castelo

Devido aos trágicos acontecimento de Paris, o episódio dedicado a Viana do Castelo vai voltar a ser exibido na SIC Notícias, a partir deste sábado, com repetições ao longo da semana e também na SIC Mulher e SIC Internacional. Aproveite para apreciar a vista a partir do zimbório de Santa Luzia, para deliciar-se com um hotel inspirado no chocolate e onde poderá dormir, caso vença o passatempo semanal do programa “Boa Cama Boa Mesa”.