Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Ex-espião: secretas têm “toupeiras” em todas as operadoras telefónicas

  • 333

nuno botelho

Jorge Silva Carvalho, ex-director-geral do SIED, faz revelação inédita em pleno julgamento: “Desde a sua fundação, os serviços de informações têm fontes em todas as operadoras de telecomunicações”. Apesar de isso ser crime. Silva Carvalho diz mais: os casos de acesso clandestino por espiões a listas de chamadas de pessoas constam dos arquivos dos serviços

Passava já das cinco da tarde desta quinta-feira quando a juíza Rosa Brandão entendeu que o assunto estava abrangido por um despacho de desclassificação parcial do segredo de Estado assinado pelo primeiro-ministro. E o assunto – o acesso ilegal pelos serviços secretos à lista de chamadas de um jornalista do “Público” em 2010 – levou o ex-espião Jorge Silva Carvalho, o principal arguido do caso das secretas, a assumir em pleno julgamento que, “desde a sua fundação, os serviços de informações têm fontes em todas as operadoras de telecomunicações”.

Antigo diretor-geral do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED), Silva Carvalho explicou ao tribunal como as secretas não só mantêm há muitos anos fontes humanas em todas as empresas de telecomunicações como também conservam nos seus arquivos os registos dessas informações ilegais relacionadas com os dados telefónicos de pessoas que estejam sob vigilância. “Todas as operações são registadas e constam de registos internos”, disse.

Silva Carvalho relevou ainda que as secretas tinham, pelo menos até o arguido ter deixado o cargo de diretor-geral do SIED em dezembro de 2010, uma fonte dentro da Polícia Judiciária que, também ela, fornecia dados vindos indiretamente das operadoras de telecomunicações.

“Eu posso identificar operações feitas ao longo dos anos [pelos serviços] em que foram usadas este tipo de fontes, se o tribunal considerar que não estou abrangido pelo segredo de Estado”, sublinhou Silva Carvalho. “Tratava-se de uma prática constante dos serviços. Estou a contar-lhe apenas um décimo da história em relação a tudo isto, mas julgo que será suficiente para entender o contexto do caso do jornalista Nuno Simas.”

Acusado de corrupção passiva, abuso de poder, acesso ilegítimo a dados pessoais e violação do segredo de Estado, Jorge Silva Carvalho partilha o banco dos réus com João Luís, antigo diretor operacional do SIED, e Nuno Dias, o agente que dentro dos serviços obteve a lista de chamadas do jornalista do “Público” em agosto de 2010 através da sua mulher, Gisela Teixeira, ex-funcionária da operadora de telecomunicações Optimus e também arguida.

Além destes arguidos, está também acusado no caso das secretas Nuno Vasconcellos, dono do grupo Ongoing. Vasconcellos foi pronunciado por corrupção ativa, por ter oferecido um emprego a Silva Carvalho como administrador da Ongoing alegadamente em troca de informações classificadas vindas dos serviços secretos.