Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Cadilhar, entaveirar, e outras formas de triturar políticos, de dar um estalo em Cavaco e de Portas ser o contrário do que é hoje

  • 333

NO TRITURADOR. Miguel Esteves Cardoso e Paulo Portas na redação de “O Independente”

Foi o jornal mais fulgurante e incómodo dos anos 80/90. Irreverente e ousado, cruzou várias linhas do jornalismo e da política até ao dia em que se misturou demasiado com ela. Este livro de Filipe Santos Costa e Liliana Valente faz o levantamento exaustivo, crítico e divertido do que foram as grandes histórias do jornal desde o lançamento, em 1988, até 1995, o ano em que Portas saiu para política para engolir quase tudo o que escreveu

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Texto

Diretor de Informação da SIC

António Pedro Ferreira

António Pedro Ferreira

Fotos

Fotojornalista

Que a vida de O Independente podia dar um livro, já todos sabíamos. O problema era o tipo de livro, porque o jornal foi tão bom quanto polémico, sólido quanto efémero, inovador quanto infantil e crítico dos políticos quanto promíscuo. Para quase todos os adjetivos que se queria aplicar ao Independente pode-se encontrar um contrário a propósito. A exceção são o estilo e a forma, quase sempre apurados e brilhantes.

Antes de tudo uma dupla declaração de interesses. Primeiro, “O Independente, a máquina de triturar políticos” foi escrito por dois colegas de quem gosto e que admiro: Filipe Santos Costa, que trabalha a meio metro da minha mesa, e Liliana Valente, que conheci no i e que agora está no Observador. Segundo, entrei como estagiário no Expresso em 1989 e habituei-me, como concorrente, a ler de forma tão sistemática, respeitosa e crítica o jornal. Talvez por isso, e por depois, já como repórter da SIC, ter acompanhado de muito perto a ascensão de Manuel Monteiro percebi muito cedo o projeto político que envolvia o jornal.

Este livro apanha isso em cheio, sem moralismos ou sentenças. Analisa todas as edições desde 1988 até 1995, ano em que Portas sai para a política e Vasco Pulido Valente se alista como deputado do PSD de Fernando Nogueira, num momento ridículo para quem tinha escrito quilómetros de textos ácidos sobre a 'vulgaridade' do cavaquismo. Mas, se a passagem de Pulido Valente pela Assembleia foi tão absurda quanto efémero, a de Portas foi para sempre.

Uma das delícias do livro é a passagem em revista de crónicas e textos que são tão bem escritos quanto absurdos. Não vale a pena sequer elencar exemplos, porque seria gratuito e cansativo. Basta recordar uma crónica de Paulo Portas, escrita quando esteve para ser cabeça de lista às europeias pelo CDS de Manuel Monteiro. Num texto chamado “O falso candidato”, Portas começa por desmentir uma notícia do Público que era verdadeira porque, em seu entender, era “uma safadeza” e “uma safadeza, desmente-se”. Além disso, afirma isto: “(Manuel Monteiro) não me fez convite algum, nem para a Europa nem para Portugal”, desmentindo categoricamente o que sabia ser verdade.

Mais divertida é a parte seguinte, o célebre parágrafo em que diz isto: “A mim basta-me ser jornalista. Gosto da vida n'O Independente e não tenciono trocá-la por nada. Para ser ainda mais explícito, se há uma certeza pessoal que eu posso divulgar, é a de que não tenho a menor intenção de me submeter a votos. Já o disse várias vezes e não me custa repeti-lo.” Um ano depois era candidato nas listas do CDS à Assembleia da República.

Nesse ano de 1994, a mistura d'O Independente com a política era demasiado óbvia, depois da candidatura presidencial de Basílio Horta, da ascensão de Manuel Monteiro e do projeto de criação de um partido de direita moderno mas conservador que pudesse ocupar boa parte do espaço do cavaquismo. Dois anos antes o jornal tinha tomado parte na campanha anti-Maastricht, lado a lado com o CDS, aproximando-os demasiado. É nessa altura que Portas escreve outra célebre frase sobre a recusa de Cavaco em promover um referendo a Maastricht: “Quem diz tamanha barbaridade merece um estalo daqueles que se dão às criancinhas quando fazem disparates insuportáveis”. Assim mesmo.

Sobre Cavaco há de tudo e sempre em demasia. Além de se ver com extrema facilidade que o jornal nunca percebeu porque Cavaco tinha sucesso eleitoral e de haver uma clara reprovação de casta (o jornal e a sua redação eram de boas famílias, Cavaco vinha do povo e não representava a direita tradicional), uma das coisas mais divertidas é a frequência com que O Independente dizia que o então primeiro-ministro era de esquerda. “O mito da autoridade permite tudo a Cavaco Silva. Pode ser de esquerda, ter pensamentos socialistas e praticar atos e omissões estatistas. Podia até fazer outra reforma agrária”. À parte a questão da autoridade, que obviamente a direita admirava, e em que O Independente acertava, tudo o resto era um delírio.

Ao passar em revista aqueles anos de enorme agitação, o livro não se limita a relatar a vida no jornal e dos políticos que eram alvos das suas manchetes e investigações ou simples loucuras ou ódios. O livro faz um extraordinário relato do que foram esses anos políticos, apesar da lente d'O Independente ser tão boa e potente quanto distorcida.

A capa do livro. 340 páginas sobre jornalismo, política... e diversão

A capa do livro. 340 páginas sobre jornalismo, política... e diversão

Os casos e escândalos são tantos e tão seguidos que está lá escarrapachada a glória e miséria do Portugal de então. Das primeiras maiorias absolutas, do dinheiro de Bruxelas, dos novos ricos dos fundos comunitários, da desilusão da esquerda com os sonhos dos anos 70, mas também do desencanto da direita com um Cavaco que não era dos seus e apanhou o poder durante dez anos, como nunca ninguém tinha sido capaz.

A forma como o jornal destratava os ministros do Norte (Nogueira, Peneda, Arlindo, etc) e se deslumbrava com Dias Loureiro é um dos exemplos mais ridículos, quando visto de agora. O jornal gabava “a vivenda bestial no Estoril, que antigamente era do embaixador Nasolini”, bem como “vários turbos e um belíssimo Maseratti”. Para um jornal especializado em escândalos e em apanhar novos ricos à distância, está tudo dito. É claro que, como o livro confirma, todos sabiam (a começar por Cavaco) que Dias Loureiro era uma das melhores fontes de Paulo Portas e do jornal.

Os alvos das investigações e escândalos foram mais que muitos. Uma das primeiras vítimas foi Miguel Cadilhe e a sua casa da Amoreiras. Além de muitas notícias, deu azo a uma das mais brilhantes crónicas de Miguel Esteves Cardoso, cujos textos, a esta distância mantêm intacta a genialidade.“O que um português exige do seu ministro das Finanças é que ele seja diferente. De facto, só ele não tem o direito a ser aldrabão (...) Nós somos negociantes de buzina, trocadeiros, abarbatadores e pilha-galinhas do piorio. Miguel Cadilhe é o primeiro ministro das Finanças exatamente igual a nós”.

É aqui que Miguel, o MEC, inventa o verbo cadilhar. “Cadilhar é obter uma coisa através de um esquema absolutamente legal. Legal, no sentido brasileiro, claro. É um jogo de palavra .(...) Enfim, é uma troca com garantia de baldroca, uma permuta. É um trocadilhe”. Depois do verbo vem o substantivo: “A estes negócios um bocadilhe dúbios e um bocadilhe aldrabados, que fazem o dia-a-dia dos portugueses, se dá o nome de cadilhes”.

O domínio do português e dos portugueses é total nas crónicas de MEC. A sua genialidade e loucura ficam ainda mais à vista quando outro alvo do jornal, o arquiteto Tomás Taveira, tem direito a um verbo. Entaveirar, claro. E a um adejetivo: entaveirado, claro.Aqui, as conotações sexuais são óbvias, mas MEC não hesita: “(...) quem é que não foi já,d e uma maneira ou de outra, brutalmente entaveirado? Basta morar em Lisboa para conhecer a sensação de ser entaveirado diariamente. Lembro-me perfeitamente da primeira vez que vi as Amoreiras. Um dia virei-me e, ao ver aquele monstro ao pé de mim, senti-me entaveirado a sangue-frio (...)”.

A genialidade de MEC e PP era evidente e o livro mostra isso página a página. mas mostra também o seu snobismo absoluto e o mundo fechado onde viviam. Não há qualquer dúvida que foram a dupla mais criativa, divertida e louca do jornalismo português. E essa loucura tanto provocava coisas boas e ímpares como más e igualmente ímpares. E inevitavelmente rápidas. O livro mostra isso página a página. Com mais ou menos projeto político, aquela loucura era efémera. Não por ter pés de barro, mas por andar demasiado depressa. Tanto cadilharam, entaveiraram e deram estalos, que foram às suas vidas, deixando o jornal condenado a um plano inclinado irreversível.