Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Um Fórum em busca da felicidade perdida

  • 333

Distinguido em 2006 com o Prémio Nobel da Física, John C. Mather vem falar ao Porto das potencialidades do telescópio espacial James Webb, que será lançado em 2018 e poderá ajudar a explicar mais e melhor o Universo em que vivemos

Win McNamee / Getty Images

Desta quarta-feira até domingo, o Porto terá um Prémio Nobel e outros mestres do pensamento mundial a debater a felicidade

Séculos e séculos de pensamento humano, milhões de livros escritos, infinitos caminhos trilhados em demanda de futuros novos, permanentes buscas de um sentido outro para a vida, incontáveis interrogações colocadas, milhares e milhares de respostas depois, e a felicidade continua transformada numa quimera de impossível alcance. Talvez esteja contido nesse sentido de impossibilidade o significado maior de um termo sempre verbalizado como expressão de desejos mantidos sempre no domínio da utopia. Realizá-los talvez fosse esbarrar na distopia, pela consumação de uma sociedade ameaçadora e, por isso, indesejável.

Os conceitos de felicidade serão tantos quantos os indivíduos existentes à face da terra. Cada um terá a sua própria leitura sobre o modo como lá chegar, numa eterna caminhada com uma importante etapa marcada para os próximos dias no Porto.

Há ideias felizes, e esta, de Paulo Cunha e Silva, vereador da Cultura da Câmara Municipal, de, a pretexto da 2ª edição do Fórum do Futuro - Festival Internacional do Pensamento, convidar especialistas das mais diversas áreas para nos revelarem a sua própria narrativa sobre os conceitos de felicidade, tem tudo para se transformar num dos grandes acontecimentos do ano na área do pensamento.

O elenco revela a disponibilidade para assumir leituras diversas e engloba grandes nomes do pensamento contemporâneo, como o astrofísico John C. Mather, galardoado em 2006 com o Prémio Nobel da Física e com relevante trabalho desenvolvido no âmbito da NASA. Numa conferência marcada para a noite desta quarta-feira, no Grande Auditório do Teatro Rivoli, subordinada ao tema “Felicidade, luz e os segredos do Universo”, Mather irá falar do que mais sabe e do que mais o apaixona: a luz, a importância da luz no modo como progredimos no nosso conhecimento sobre o universo, a decisiva importância da luz na perceção de que a Terra é apenas um minúsculo ponto entre biliões e biliões de galáxias.

Estaremos sós? Como foi e de que modo se expandiu a primeira luz? Estaremos a conseguir aproximar-nos de decisivos conhecimentos sobre a expansão de outras galáxias e a formação de novos planetas? Até onde nos levarão os novos e poderosos telescópios com entrada em funcionamento previsto para os próximos anos?

A conferência serve também para assinalar os cem anos da Teoria da Relatividade geral e o Ano Internacional da Luz e será moderada por Orfeu Bertolami, professor do departamento de Física e Astronomia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, e Carlos Fiolhais, professor catedrático no Departamento de Física da Universidade de Coimbra.

A primeira conferência do Fórum realiza-se esta quarta-feira à tarde, no Auditório do Museu de Serralves e, com moderação de Suzanne Cotter, diretora do Museu, terá como convidado Wolfgang Tillmans, um dos mais influentes nomes da fotografia contemporânea.

A sesão “Prazer na arte” conta com a presença da ex-atriz porno Sasha Grey e a moderação do pintor Julião Sarmento

A sesão “Prazer na arte” conta com a presença da ex-atriz porno Sasha Grey e a moderação do pintor Julião Sarmento

Juan Naharro Gimenez / Getty Images

O amor e o prazer

Na quinta-feira, amor e prazer vão andar de mãos dadas, ou pelo menos em círculos paralelos. Primeiro, a partir das 16h30, no Rivoli, será Aaron Ahuvia, professor de Marketing da Universidade do Michigan-Dearborn College of Business, apresentado como um grande especialista na pesquisa sobre o amor e a felicidade, a falar sobre “A expansão dos círculos amorosos”.

À noite falar-se-à do “Prazer na arte”, com o apoio da ex-atriz porno Sasha Grey e a moderação do pintor Julião Sarmento. Os dois conversarão sobre as relações entre sexualidade e arte, tema muito explorado por ambos, embora em circunstâncias, linguagens e níveis de profundidade radicalmente diferentes. Sasha protagonizou em 2009 o filme “The Girlfriend Experience”, com realização de Steven Soderbergh, o mesmo de “Sexo, Mentiras e Vídeo”.

Pelo meio, a partir das 18h30, o tema será a “Arquitetura emocional de proximidade”, por Bijoy Jain, arquiteto e professor de História e Teoria da Arquitetura na Universidade de Coimbra. A moderação é de Jorge Figueira, ele próprio arquiteto e um dos grandes teóricos da arquitetura em Portugal.

A sociedade do cansaço

Sexta-feira será um dia muito cheio, com seis conferências, que vão desde a abordagem dos sensores de felicidade à música como caminho para a felicidade com a pergunta sobre se haverá um final feliz. O dia termina com a conferência/performance, a partir das 21h30, intitulada “O corpo e a temperatura da felicidade - um ensaio termográfico”, pela violinista Ianina Khemlik.

Segundo o programa, Ianina “permitir-nos-á traduzir em cores as reações anátomo-fisiológicas das suas ações, metáfora da relação entre o corpo e cidade”, o que “abre espaço para uma discussão sobre a ‘sociedade do cansaço’”.

Voltaremos para falar do programa previsto para sábado e domingo, mas sempre se adianta que tudo pode ser consultado aqui. A entrada é livre, mas sujeita ao levantamento prévio de bilhetes. As principais sessões costumam esgotar, por isso, é bom prevenir e solicitar as entradas com antecedência.