Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Aumentam vítimas mortais na estrada com canábis no organismo

  • 333

A marijuana e o haxixe atuais estão mais fortes, causam dependência e têm efeitos a nível mental

PABLO PORCIUNCULA/ Getty Images

Instituto de Medicina Legal revela que 40% eram jovens e maioria tinha consumido pouco antes de conduzir

João Pinheiro era médico legista na Figueira da Foz quando, há cerca de dois anos, começaram a passar pela sua mesa de autópsias, com frequência inusitada, casos de condutores jovens, vítimas mortais em acidentes de viação, cujas análises revelavam canábis no organismo. Mais do que a presença da substância, foi o seu aparecimento isolado, sem consumo associado de álcool ou outras drogas de abuso, que lhe chamou a atenção. E sempre no mesmo tipo de vítimas: rapazes, muito novos, sem indícios de dependências. “Já andava com a pulga atrás da orelha quando surgiu um miúdo de 16 anos, de São Martinho do Porto, morto num acidente esquisito de moto. E não é que as análises vieram positivas apenas para canábis? Nesse dia decidi que ia estudar os números e perceber o que se passava.”

O resultado foi esta semana apresentado na II Conferência do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF), de que o patologista é atualmente vice-presidente. Em 2012, 2013 e 2014 foi detetada a presença de canabinoides em 83 vítimas mortais em acidentes rodoviários, com um crescimento contínuo de ano para ano — 22% nos três anos. A esmagadora maioria ia ao volante na altura do desastre fatal (a lei só obriga à realização de análises de álcool, drogas de abuso e medicamentos aos condutores e peões envolvidos no sinistro).

No meio das 2225 autópsias a mortes na estrada, a quase centena de casos de consumo de canábis perde significado quantitativo: apenas quatro em cem vítimas “é uma prevalência muito baixa, diminuta, mas como investigador é a leitura que podemos fazer com os dados recolhidos que me interessa e preocupa”, explica João Pinheiro. “E o que nos aparece é o perfil do rapaz que fuma umas coisas, que usa a canábis como droga social. O consumo foi despenalizado, há uma aceitação social da substância, generaliza-se a ideia de que não faz mal e esquece-se que afeta a condução, tal como o álcool. Não podemos dizer que foi o consumo que provocou estes acidentes, não podemos estabelecer esse nexo de causalidade, mas podemos mostrar estes factos reais, e que infelizmente também são mortais”.

No que ao consumo diz respeito, foi possível apurar que 84,6% dos condutores sinistrados tinham fumado canábis pouco tempo antes de irem para a estrada, uma vez que as análises ao sangue revelaram uma presença ativa da droga. “A canábis degrada-se no organismo e durante a absorção metaboliza-se em produtos derivados, os metabolitos. Quando são detetados metabolitos ativos significa que houve um consumo recente, que afeta as capacidades motoras e mentais da pessoa que está ao volante. Ou seja, os números permitem-nos dizer que a maioria destas vítimas mortais conduzia sob o efeito de canabinoides”, explica o patologista.

Os metabolitos inativos detetados em 15 vítimas mortais atestam que aquelas vítimas consumiram canábis mas muitas horas ou dias antes do acidente. Em tribunal, por exemplo, a presença destas substâncias não serve para provar a condução sob o efeito de canabinoides, uma vez que a influência no comportamento humano é nula.

Droga leve, efeitos pesados

O estudo do INMLCF, realizado em parceria com o médico legista Jorge Rosmaninho e o técnico de toxicologista António Castañera, permitiu apurar que as vítimas eram esmagadoramente do sexo masculino — 72 homens e 11 mulheres —, que 43% tinham entre 15 e 25 anos e que 60% eram sub-30. A partir dos 35 anos o número de casos reduz-se drasticamente, com exceção da classe etária dos 40-45, que revela um pequeno pico, ainda assim abaixo das idades mais juvenis.

João Goulão, presidente do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência, concorda que “a canábis goza de um estatuto de inocuidade na sociedade e no seio familiar, de complacência pelos efeitos, que é preciso contrariar”. O também diretor do Serviço de Intervenção nos Comportamentos aditivos e nas Dependências (SICAD) defende que “estudos como este, evidências científicas, são necessários para que haja uma intervenção e se desconstruam clichés. Nunca houve uma insistência na passagem da mensagem de que não se deve consumir canábis e ir conduzir.”

Os últimos dados sobre droga e dependência em Portugal, divulgados pelo SICAD em janeiro, revelam que a canábis (quer a marijuana quer o haxixe) que existe atualmente no mercado nacional e europeu é mais forte, causa dependência e efeitos a nível mental, como surtos agudos psicóticos, ataques de pânico e esquizofrenias. “Houve uma manipulação genética da planta que aumentou o componente psicoativo, sem que tenha equilibrado os vários alcaloides, deixando-o sem freio. Já não se pode chamar-lhe uma droga leve”, alerta João Goulão.

Segundo o Eurobarómetro Os Jovens e a Droga, de 2014, a canábis é a droga a que os jovens portugueses atribuem menos risco para a saúde. “Infelizmente não está tão bem estudada como o álcool em relação aos efeitos na estrada”, critica João Pinheiro. A única investigação europeia que analisou essa conexão (DRUID), concluiu que em Portugal 40% dos condutores que morrem ou ficam gravemente feridos beberam antes de guiar. “O risco de um condutor com canabinoides ter um acidente de viação duplica. Se associar o álcool, esse risco sobe 15 vezes. No IML só estudámos os mortos. Mas quantos portugueses já terão matado outros na estrada, por estarem sob o efeito de drogas?” questiona.

A 2 de maio, no IC2, junto a Condeixa, um Audi despistou-se. Na berma passava um grupo de peregrinos. Morreram dois menores e três adultos. As análises ao condutor, homem, jovem de 24 anos, deram positivas para álcool e canábis.