Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Primeiros refugiados chegam dia 7

  • 333

AAMIR QURESHI / AFP / Getty Images

Autoridades portuguesas estão informadas da vinda de oito famílias, 30 adultos e 15 menores, atualmente colocadas no Cairo e há nove meses à espera de visto

Os 45 refugiados que há nove meses esperam, no Cairo, por um visto para serem reinstalados em Portugal, chegam no sábado, dia 7 de novembro. "Se tudo continuar a correr bem com o processo, é essa a data prevista", diz ao Expresso Beat Schuler, representante do ACNUR de Roma, que gere o processo de reinstalação. As autoridades portuguesas já foram informadas desta chegada

Há nove meses que 27 sírios, dez eritreus e oito sudaneses esperam no Egito pela viagem que os trará para Portugal, ao abrigo da quota anual de reinstalação acordada com o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). Depois de sucessivos adiamentos, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) confirmou a emissão dos vistos de saída, um procedimento burocrático das autoridades egípcias que provocara a última paragem do processo.

"De acordo com a informação disponibilizada pelo ACNUR no Cairo, será expectável que a sua chegada a Portugal se registe no início de novembro", tinha avançado o SEF ao Expresso na semana passada.

No total são 45 pessoas, divididas oito famílias compostas por 30 adultos e 15 menores, que vão ser alojadas em Lisboa, Sintra e Penela, no distrito de Coimbra. No dia da partida, dois inspetores do SEF estarão no Cairo para acompanhar as famílias no voo até à capital portuguesa, via Roma.

Este grupo de refugiados fugiu para o Egito há cerca de dois anos. Os sírios e os sudaneses empurrados pela guerra, os eritreus pelo regime ditatorial do Presidente Isaias Afewerki. Viveram até agora nos subúrbios da capital egípcia, no grande Cairo, casa de 82 mil refugiados concentrados no distrito 6 de outubro, em pequenos apartamentos degradados, arrendados a preços especulativos.

Nas últimas semanas, na expectativa da partida, as famílias atribuídas a Portugal - e que aceitaram o destino sugerido pelo ACNUR -, venderam os poucos bens que adquiriram durante o refúgio no Egito. Em Portugal, em contraponto, terão tudo pronto à sua espera. Vão ter casa mobilada, dinheiro para as despesas fundamentais, um vale-transporte, água, luz e gás pagos.

Em Lisboa, o Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS) vai acolher em seis apartamentos, na Alta de Lisboa e nas Olaias, uma mulher da Eritreia com os três filhos e três famílias sírias, que são na verdade apenas um agregado alargado (uma matriarca com dois filhos jovens e duas filhas, elas já com as suas famílias também). As oito crianças em idade escolar vão ser acompanhadas no colégio São João de Brito e também no Agrupamento Escolar da Alta de Lisboa. Até já foi encontrada uma tradutora de tigrínia, uma das línguas faladas na Eritreia.

No Cacém ficarão, vindos da Eritreia, uma mãe e os seus cinco filhos e ainda um casal sudanês com duas crianças, a cargo do Conselho Português para os Refugiados (CPR). Penela será o local de acolhimento dos restantes quatro agregados: três casais sírios e dez crianças, e uma mulher sudanesa com três filhos. Ali, a Fundação Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional (ADFP) tem apartamentos T3 e T4 prontos a habitar, empregos para os adultos, escolas para as crianças, um carro, professora de oortuguês, psicóloga, enfermeira e tradutora

Também durante o mês de novembro deverão partir da Grécia e de Itália os primeiros requerentes de proteção internacional que Portugal vai receber ao abrigo do programa de recolocação traçado pela União Europeia - 4574 no prazo máximo de dois anos. Um grupo de 30 era esperado na primeira quinzena de outubro, como anunciado pelo ministro--adjunto Poiares Maduro, mas ultrapassado o prazo ninguém arrisca novas datas.

"A calendarização de chegada dos primeiros refugiados está dependente das entidades que organizam e processam os pedidos de proteção internacional, em Itália e na Grécia", explica o SEF, que coordena em Portugal o Grupo de Trabalho para a Agenda Europeia da Migração.