Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Correio da Manhã” proibido de dar notícias sobre Operação Marquês. “Acatamos mas vamos contestar”

Marcos Borga

Providência cautelar de José Sócrates foi aceite pela Comarca de Lisboa e impõe multas de até 2000 euros diários em caso de desobediência. Cofina vai contestar decisão do tribunal e tem três dias para retirar de circulação jornais com pormenores do processo que envolve o ex-primeiro-ministro

Rui Gustavo

Rui Gustavo

Editor de Sociedade

Todos os meios de comunicação do grupo Cofina - do “Correio da Manhã” à revista “Flash”, passando pela “Sábado” - estão proibidos de publicar notícias que divulguem dados da operação Marquês. A decisão do Tribunal da Comarca de Lisboa é provisória - deferiu uma providência cautelar da defesa - e visa apenas jornalistas daquele grupo de comunicação social.

Contactado pela Antena 1, Eduardo Dâmaso, diretor-adjunto do matutino, já reagiu: “Acatamos mas vamos contestar”. O “CM” publica na edição desta quarta-feira uma nota editorial em que argumenta que “este tipo de silenciamento aproxima-se perigosamente da ideia de censura prévia”. Neste texto, o jornal assegura: “Não será esta providência cautelar que vai parar a investigação do ‘CM’ sobre o político Sócrates e que vem desde um tempo em que não havia qualquer investigação sobre ele”.

Na edição desta quarta-feira, o “Correio da Manhã” faz também capa com a notícia, acusando Sócrates de “tentar calar” o órgão com uma “mordaça”. No artigo que revela pormenores sobre a providência cautelar, o jornal afirma que o objetivo do ex-primeiro-ministro é “travar e calar” o “Correio da Manhã”.

A defesa de José Sócrates avançou com esta providência cautelar depois de ter sido decretado o fim de segredo de Justiça interno no processo. Vários jornalistas do grupo constituíram-se assistentes e passaram a ter acesso a todos os elementos do processo. O “CM” tem divulgado nas últimas semanas vários elementos do caso, como por exemplo escutas que envolvem José Sócrates.

O tribunal impõe multas entre os 500 e os 2000 euros diários se a decisão não for acatada. De acordo com a mesma decisão, o grupo tem três dias para retirar de circulação todos os exemplares do “Correio da Manhã” que contêm elementos do processo.