Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Rapazes. Quanto mais dinheiro, mais comportamentos de risco

  • 333

LEITURA. Os rendimentos do agregado familiar condicionam de forma expressiva a escolaridade dos jovens

rUI DUARTE SILVA

Elas estudam mais e tentam fugir ao destino. Eles colocam-se em risco e envolvem-se na política. Um estudo sobre 3000 jovens de ambos os sexos nascidos nos anos 90, no Porto, mostra que o fado tem muitos tons mas continua pintado a negro

Em português, destino é fado e ambos são descritos no dicionário como “uma força superior que se crê controlar todos os acontecimentos”. A pergunta que fica, então, é a capacidade humana de alterar o fatalismo. E parece que sim, que é possível mudar, no presente, o rumo do futuro. Pelo menos para os jovens do Porto.

Esta sexta-feira é apresentado na Fundação Gulbenkian, em Lisboa, um estudo sobre a geração nascida na década de 90 do século XX e que em 2003 e 2004 frequentava as escolas públicas e privadas do Porto. Foram analisados os comportamentos de 2942 jovens, com 13, 17, 21 e 24 anos.

Com o título “Reproduzir ou contrariar o destino social?”, a investigação, coordenada pela socióloga Anália Torres e por Henrique de Barros, do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, teve como ponto de partida a análise de que forma a origem social e o nível de escolaridade dos pais afetam a escolaridade e a mobilidade social e educacional dos jovens. O percurso académico dos próprios jovens é tido em conta como fator de mobilidade social, sem esquecer a influência do género e da prática de desporto ou do tempo passado a ler ou a estudar.

Uma das dimensões mais relevantes do estudo passou pela definição de “percursos biográficos”, que consideram, para além da escolaridade, variáveis de caracterização social como os rendimentos do agregado, a condição perante o trabalho e a profissão dos pais.

rui duarte silva

Perfis educacionais

Para organizar o estudo, foram desenhados cinco “perfis de mobilidade educacional”, que compara a escolaridade dos jovens aos 21 anos com a dos respetivos pais. Os jovens de nível educacional mais baixo têm 12 anos ou menos de escolaridade e pais com nove ou menos anos de escolaridade; já aqueles jovens e pais que têm 15 ou mais anos de escolaridade são classificados como nível mais alto.

No grupo de jovens e pais pouco escolarizados, as raparigas são as que conseguem ir mais longe no ensino (66,7%) e, entre os filhos de pais licenciados, os rapazes são os que encontram maior dificuldade em atingir o mesmo patamar educativo.

“Os rendimentos do agregado familiar condicionam de forma expressiva a escolaridade dos jovens. Quanto maior é o rendimento familiar, maior é a escolaridade atingida”, refere a investigação. O estudo diz mesmo que “o papel da origem social e educacional dos jovens é visível na reprovação escolar”.

Aos 17 anos, e ainda sem grandes avanços educativos, os filhos de pais pouco escolarizados apresentam as mais elevadas taxas (78%) de reprovação. Mas é também sublinhado que “as práticas de leitura, estudo e desporto podem compensar a influência da origem social”.

nuno fox

Problemas por resolver

Marcantes foram, para a equipa de coordenação, os resultados alcançados pelas raparigas. Elas são “tendencialmente mais escolarizadas do que os rapazes (44,1% têm ensino superior contra 31,7% deles), mas apesar de uma maior escolarização, “persistem desigualdades de género à entrada no mercado de trabalho”, com elas a estarem mais empregadas a tempo parcial do que eles, enquanto estudam em simultâneo. Eles preferem trabalhar a tempo inteiro, mas, entretanto, deixam os estudos.

As surpresas surgem quando se começa a abordar os comportamentos de risco. Os jovens de nível educacional alto revelaram “uma relativa incidência de comportamentos de risco associados a estilos de vida que podem ser apelidados de 'recreativos', como o consumo de haxixe ou marijuana aos 21 anos, ou mais precocemente, aos 13 anos, na experimentação e consumo de álcool”.

Os comportamentos de risco estão ligados a um pior desempenho educacional aos 21 anos, com práticas como o envolvimento numa luta física ou um percurso de mau comportamento disciplinar, associado à não conclusão da escolaridade obrigatória (12.º ano).

Quando a investigação se debruçou sobre os jovens aos quais já foram diagnosticadas situações depressivas, as raparigas mostraram ser as mais afetadas, e foi visível uma tendência para um maior peso deste problema entre os jovens de nível educacional baixo ou ascendente.

O envolvimento em organizações cívicas e políticas aumentou significativamente na passagem dos 17 aos 21 anos, enquanto diminuiu a dedicação a organizações de desporto, culturais ou religiosas. Aos 21 anos, os rapazes mais escolarizados mostraram-se mais disponíveis para pertencer a alguma organização política ou pública. Mas, se estiverem desempregados, o empenho diminui.