Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

No reino dos Silvas, Santos e Pereiras

  • 333

Os 100 apelidos mais comuns em Portugal. Os números de registos podem variar, mas desde 2012 que há apelidos que se mantêm no topo. As suas origens não são de agora

Carolina Reis

Carolina Reis

Texto

Jornalista

Ana Serra

Ana Serra

Infografia

Toda a gente tem uma história, e o nome é também parte dessa história. O primeiro nome é atribuído como se fosse um exclusivo. Envolto em carinho e ansiedade, é a primeira escolha que os pais fazem para os filhos, e algo que os acompanhará para o resto da vida. Apesar das modas, que ora oscilam entre as Vanessas e Rodrigos, ou de Leonores e Marias, é sempre dado a uma criança como se ela fosse única. A Leonor, A Madalena, O João. Do lado final do registo está o outro nome, o apelido, que a criança herdará e que também carregará para o resto da vida.

Enquanto no primeiro é como a primeira página de um livro que se começa a escrever, o segundo é um livro que se continua a contar. Ninguém é Silva (4041 registos o ano passado), Santos (2630), Ferreira (2030), Pereira (1993) ou Costa (1702) por acaso. Desde 2012 que estes apelidos ocupam os lugares cimeiros dos mais registados em Portugal, de acordo com o Instituo de Registos e Notariado, mas as suas origens porem encontram-se no Renascimento. A prevalência do Silva em Portugal está, de acordo com fontes oficiais dos respetivos países, como o Smith para o Reino Unido (747.967), Austrália (114.997) ou Estados Unidos (2.376.206). E como o Martin (236 172), em França, o Tremblay (1.076.251), no Quebeque, o Hansen (53948), na Noruega, o Johansson (245 208), na Suécia, o García (3.054.498), em Espanha. Se mudarmos de continente, vemos que na Coreia do Sul abundam os Kim (9,925,949), na Índia dominam as famílias Devi (69.206.943) e na Colômbia reinam os Rodríguez (707.789).

“Em Portugal, há oscilações mas são sempre os Silvas, os Santos e os Pereiras os mais comuns. É uma marca de família”, explica Ivo Castro, professor de linguística da Universidade de Letras de Lisboa. Ao contrário do que acontece com os nomes próprios, aqui não há espaço para modas nem para tendências. Pode ser que os Silvas, os Santos e os Pereiras deixem de estar entre os três mais comuns, contudo isso levará tempo. “Quando estou no consultório do médico, ou na pastelaria para levantar um bolo e chamam o senhor Pereira, há sempre, pelo menos, duas ou três cabeças que se voltam”, diz Fernando Pereira. O sobrenome que herdou do pai passou como último nome para os dois filhos e dois sobrinhos, filhos do irmão, e como penúltimo das sobrinhas que a irmã mais velha lhe deu. São, pelo menos, quatro os Pereiras que se perpetuarão. “Pereiras há muitos, mas estes vão continuar.”

Catarina Medina nunca sentiu que o seu apelido era mais um. De tal maneira raro que depois de Fernando Medina chegar a presidente da autarquia lisboeta lhe perguntam se é seu tio, como se só existisse uma família de Medinas, de tão raros que são. “Não sinto aquela sensação de alguém que tem um nome igual ao meu.” O Medina, um apelido que este ano teve apenas cinco registos, um deles o da sua sobrinha Carolina, é “um nome forte.” Mesmo sem saber a origem, é algo que a orgulha.

Aos 33 anos, e sem certezas de querer ter filhos, gostava que fosse o seu apelido o último nome das crianças. “Acho que é mais forte e quebra a ideia patriarcal que têm de ser as famílias dos homens a continuar.” Se um dia Catarina e o companheiro tiverem um filho e quiserem que ele tenha os apelidos de cada um, o mais provável é que apenas um deles prevaleça. Já não se usam apelidos compostos, como Mil-Homens (houve um registo em 2014 e cinco em 2012) ou Todo-Bom. Assim como apelidos adjetivos como Furioso, Tinhoso ou Porcalho. “É relativamente raro que os nomes de pessoas, nomeadamente os apelidos, sejam formados com recurso a sufixos diminutivos, aumentativos ou depreciativos. Mas no passado isso verificou-se”, explica Graça Rio-Torto, professora e especialista em linguística na Universidade de Coimbra.

Apelidos mantêm-se no poder

A evolução dos sobrenomes mais comuns para outros será feita muito lentamente. E este predomínio não se limita às fronteiras portuguesas. Uma comparação de 2005, do professor Ivo Castro, mostrava que os apelidos que se impunham na cidade de Lisboa estavam também nas listas de mais frequentes das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, no Brasil. Silva (20.882.120), Santos (13.433.982) e Sousa/Souza (9.810.832) ocupam os três primeiros lugares da tabela. Pereira, o terceiro mais comum em Portugal, surge em quinto lugar (5.892.937). Fruto natural da colonização, mais de 500 anos depois da independência do país, ainda se mantém. “É a prova do conservadorismo dos apelidos, cuja tendência se mantém desde o Renascimento e se têm mantido de geração em geração. É algo que muda lentamente”, frisa o especialista em onomástica.

Até à Idade Média, as pessoas eram apenas conhecidas pelo nome próprio. O povo, em especial o que morava nas zonas urbanas, só tem direito a tal depois do século XVI. É altura em que se vão buscar as referências mais óbvias, como o nome da terra ou de elementos da natureza (topónimos); o nome próprio do pai (patronímia); os epítetos, alcunhas e profissões; e à religião. Nascem, então, os Silvas, dos campos de silvas, os Ferreiras, de um lugar ferroso, os Costas, devido à localização geográfica. Dos nomes dos pais veem os Henriques, filhos de Henrique, os Fernandes, filhos de Fernando, os Mendonças, filhos de Mendo, os Enes, filhos de João. Às profissões vão buscar o Ferreiro, o Ferrador, ou Tecedeiro.

Estas origens podem extrapolar, pelo menos, para o resto do continente europeu. Smith tem origem naquele que trabalhava o metal, Martin significa o filho de Martinus, assim como Johansson e Hansen, filhos de Johann e de Hans. Já os Tremblya canadianos provêm de Pierre Tremblay, um dos primeiros colonos franceses que se estima terem deixado 150 mil descendentes. Em cada apelido, séculos de história.