Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“As pessoas mudaram a maneira de comer e de pensar”

  • 333

SIMPLES. As receitas de Ella são fáceis de fazer

tiago miranda

Ella Woodward passou para livro as receitas saudáveis que a tornaram numa guru da alimentação e da Internet

Carolina Reis

Carolina Reis

Texto

Jornalista

Tiago Miranda

Tiago Miranda

Fotos

Fotojornalista

Antes de se tornar num caso sério de sucesso na Internet, os seus vídeos no Youtube já chegaram 2,5 milhões de pessoas, Ella Woodward, 24 anos, enfrentou uma doença rara que a deixou de cama seis meses. Foi assim, aliás, que começou um blogue (deliciouslyella.com)sobre alimentação saudável, que se tornou num livro e numa guru por uma comida clean, sem glúten, lácteos ou processados.

Como é que se interessou por uma alimentação saudável?
Estava no segundo ano da universidade, em Paris, e fiquei muito doente. No hospital, diagnosticaram-me com uma doença muito rara, síndrome de taquicardia postural. Passei os seis meses seguintes na cama, a tomar esteróides e não estava a resultar, então decidi experimentar outro caminho. Fui à procura de outras coisas que me pudessem fazer para ficar melhor. É aí que encontro histórias de pessoas que estavam doentes e melhoraram através da alimentação.

É aí que nasce o blogue?
Surge dois meses depois de ter começado, porque percebi que precisava de aprender a cozinhar. No início, era uma maneira de me comprometer a fazer uma alimentação saudável.

O livro tem sempre imagens ao pé das receitas, parece fácil de fazer.
Esse é um dos objetivos. As pessoas até podem ter vontade de mudar hábitos que melhorem as suas vidas, mas se forem difíceis, sejamos realistas, não o fazem. Por isso, o livro tinha de ser simples, acessível. Além disso, queria mostra que comida saudável não é uma dieta, nem comer só pepino ou folhas de alface. É comer os alimentos mais corretos, que satisfaçam e saciem.

De que forma cria os pratos?
Leio e vejo coisas online, depois vou experimentando, literalmente. Tem sido sempre assim. As coisas aumentaram de uma maneira gradual, desde que o blogue começou. Foi algo estável do momento em que ninguém lia o blogue até ao momento em que muita gente o passou a ler. Vou construindo as coisas.

Já se sente uma guru?
No último ano é que senti que as coisas cresceram imenso. Lembro-me do primeiro email que recebi, de alguém a dizer que se tinha inspirado em mim. Foi muito surpreendente

Tem 593 milhares de seguidores no Instagram. Os seus vídeos no Youtube já chegaram 2,5 milhões de pessoas. As redes sociais são fundamentais para o sucesso?
É fundamental porque cria uma plataforma, em que todos possamos falar. Ninguém tenta dar uma direção ou direcionar o que devemos escrever, somos nós próprios. Neste caso, eu própria. Foi no Instagram que fui percebendo quais eram as coisas mais populares e a ter feedback das pessoas. Temos de ter cuidado com isso, pode ser uma ferramenta infeliz. É fácil, por outro lado, olhar para o Instagram como a vida de alguém, e isso não corresponde à realidade. As pessoas podem escrever coisas muito más.

Isso aconteceu-lhe?
Acho que até posso falar por mim. Eu estive seis meses de cama, ia ao Facebook e via os meus amigos numa festa e ficava chateada e mal disposta. É claro que eles se estavam a divertir, mas as fotos nas redes sociais só mostram o melhor momento de tudo.

Vivemos a moda da comida saudável?
Nos últimos anos as pessoas mudaram a maneira de comer e de pensar. Dantes comiam muita porcaria, havia imensos problemas de estômago e ninguém refletia sobre isso. Agora, já se percebeu que a maneira como nos alimentamos influenciava o corpo. Não é uma dieta.

O que é pior o glúten ou o leite?
Essa não é a melhor maneira de colocar as coisas. Não estamos perante uma batalha dos pecados. É preciso voltar ao passado, comer ingredientes naturais, não processados. Quando as pessoas querem mudar a sua vida não é boa política dizermos-lhes logo, à partida, que elas não podem comer uma data de coisas. É um processo que tem de começar devagar. Há coisas que funcionam melhor para umas pessoas, outras para outras. Se começar a comer bem em casa e quando for jantar fora comer o que lhe apetecer, isso já é bom.

Quais são, então, os segredos para uma vida equilibrada?
Não há um caminho comum para todo a gente. Algo que diga que é assim que tem de ser e que não o fizer não conseguirá. Não vale a pena sentimentos de culpa. Trata-se de encontra um equilíbrio que nos façam estar bem física e mentalmente. Se quiserem ir jantar fora e beber vinho tudo bem, desde que no dia seguinte não se culpem e comecem a comer saladas e sumos verdes só para compensar. Não podemos estar numa batalha contra nós próprios.

Mas há ingredientes que se podem substituir para começar.
Sim, coisa simples. Arroz integral ou quinoa por arroz. Papas de aveia por cereais. Colocar uma porção de legumes nas refeições e comer mais fruta são pequenos passos.

Há algum inimigo número um de uma alimentação?
A comida processada é a primeira coisa que as pessoas devem tentar evitar.

Hoje, a Ella já é uma empresa.
Sim, há quatro pessoas a trabalhar comigo. Há muita coisa para fazer.