Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Homo Sapiens chegou à China 20 mil anos mais cedo do que se pensava

  • 333

Descoberta de 47 dentes humanos numa caverna chinesa poderá obrigar a uma revisão da História

Não são apenas 47 dentes humanos. Trata-se de um tesouro arqueológico, um achado que veio corrigir a História, permitindo situar a presença humana na Ásia 20 mil anos mais cedo do que se julgava até aqui.

A descoberta foi feita por cientistas que trabalhavam na caverna Fuyan, em Daoxian, no sul da China.

“Para nós ficou claro que estes dentes pertenciam a humanos modernos, por causa da sua morfologia. O que nos surpreendeu foi a sua idade”, afirmou María Martinón-Torres, da University College London (UCL), à BBC News.

“Todos os fósseis estavam selados em pedra calcária. Então, os dentes tinham de ser mais antigos que esta camada do solo. Sobre ela estão estalagmites com 80 mil anos de idade, algo que foi determinado usando urânio”, acrescentou.

A importância do achado fica evidente por contrariar a teoria até agora aceite de que o homem deixou o continente africano há 60 mil anos, o que tem sido apoiado por diversas provas, inclusive genéticas e arqueológicas.

Tudo que está abaixo das estalagmites deve ser mais antigo do que elas, sublilnham os especialistas, pelo que os dentes humanos podem ter até 125 mil anos de idade.

Além disso, fósseis de animais também encontrados são típicos do período Pleistoceno Antigo - algo indicado igualmente pelas medições feitas com radioatividade.

Fósseis de Homo Sapiens que precedem a data de migração para fora de África já tinham sido encontrados em Israel. Mas os achados foram considerados o testemunho de uma tentativa fracassada de dispersão.

Em face da descoberta feita na China, diz María Martinón-Torres, “temos de entender o destino dessa migração, se ela fracassou ou se de facto contribuiu para a formação das populações modernas”.

“Talvez sejamos descendentes de uma dispersão ocorrida há 60 mil anos, mas precisamos de rever os nossos modelos. Pode ter havido mais de uma migração para fora da África”, considera a especialista.