Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Primeiros refugiados deverão chegar a Portugal na próxima semana

  • 333

Fontes do executivo comunitário divulgaram esta quarta-feira que os próximos voos de recolocação deverão decorrer na próxima semana e abrangem 100 pessoas

Portugal deverá receber os primeiros refugiados, provenientes de Itália, na próxima semana, na sequência do compromisso assumido pelos 28 estados-membros a 23 de setembro, segundo a Comissão Europeia.

Fontes do executivo comunitário divulgaram esta quarta-feira que os próximos voos de recolocação deverão decorrer na próxima semana, envolvendo um total de 100 pessoas, e que os destinos serão Portugal, Espanha, Finlândia, Alemanha e França.

As mesmas fontes lembraram a obrigação legal, decorrente da última cimeira de chefes de Estado e de Governo, de que todos os países terão de receber refugiados, mas acrescentaram que cinco estados-membros mostraram já interesse e afirmaram-se prontos para o processo.

Os números finais para cada país só devem ser conhecidos na sexta ou na segunda-feira, por estarem a decorrer análises entre as autoridades italianas e os oficiais de ligação de cada país.

Uma fonte ligada ao processo explicou que estão a ser feitas perguntas aos refugiados, como as línguas faladas ou a eventual existência de membros da família em Estados-membros para, dentro do possível, se fazer um encontro de vontades.

Acerca dos números de refugiados, a mesma fonte sublinhou que se devem levar em conta eventuais atrasos burocráticos, como aconteceu no primeiro voo de recolocação, que fez diminuir de 20 para 19 o número de pessoas que a voar de Itália para a Suécia.

Outra fonte comunitária notou que na cimeira de quinta e sexta-feira, a Comissão Europeia irá instar os países a concretizarem calendários para receberem os refugiados.

Da Grécia deverá sair “esta semana, ou na próxima semana”, um voo de recolocação para o Luxemburgo.

  • Refugiados. União Europeia envia primeiro grupo para a Suécia

    Vinte eritreus seguiram viagem para o país nórdico, a partir de Roma, iniciando-se assim o programa de recolocação de 120 mil refugiados aprovado em setembro. “Apenas o primeiro passo” de uma operação exigente, que visa dar resposta a quem foge da Síria, Iraque, Eritreia e República Centro-Africana