Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Hospital de Gaia diz que não há doentes em cuidados intensivos com bactéria mortal

  • 333

Atualmente estão identificados 30 doentes com a bactéria, dos quais oito apresentam evidência clínica de infeção. Os outros são considerados portadores assintomáticos

O Hospital de Gaia garante que não há, neste momento, nos seus cuidados intensivos doentes infetados com a bactéria, identificada em agosto naquela unidade, que contaminou 30 pessoas, das quais oito acabaram por morrer.

De acordo com a Coordenadora do Grupo Coordenador Local do Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e Resistência aos Antimicrobiano do Centro Hospitalar Gaia/Espinho (CHVNG/E), Margarida Mota, atualmente estão identificados 30 doentes com a bactéria, dos quais oito apresentavam evidência clínica de infeção, sendo os restantes considerados portadores assintomáticos.

"Verificou-se a ocorrência de oito óbitos. Contudo, a causa dos mesmos não pode ser atribuída diretamente a esta infeção, dada a complexidade e gravidade dos quadros clínicos de base (situações oncológicas e de elevada comorbilidade)", afirmou esta quarta-feira a responsável.

Revelada esta manhã pelo “Jornal de Notícias”, esta situação de infeção pela bateria Klebsiella Pneumoniae foi detetada a 7 de agosto. Em comunicado enviado à Lusa, Margarida Mota refere que "todos os doentes internados que se encontram sinalizados estão em regime de isolamento em unidade individual ou corte em enfermaria".

De acordo com a responsável, após identificação do primeiro caso foi reforçada a capacidade do Laboratório de Microbiologia, nomeadamente através da aquisição de métodos específicos de identificação da bactéria (Biologia Molecular), do reforço da equipa nos turnos de fim de semana para resultados mais rápidos e procedeu-se à implementação de protocolo de rastreio de contactos.

Margarida Mota diz ainda que, entre outras medidas, se procedeu à notificação de estirpes à Direção-Geral de Saúde (DGS) e iniciou-se o processo de análise do genótipo das unidades isoladas.

Sobre o risco de contágio para profissionais de saúde e outros doentes, a responsável refere que "segundo vários estudos publicados sobre o risco ocupacional, verifica-se que o mesmo é pouco significativo ou nulo, desde que asseguradas as medidas de precauções básicas".

"Segundo a análise de rastreio de contacto entre doentes, verifica-se a ocorrência de oito doentes positivos em 44 casos", acrescenta. Refere ainda que atualmente encontra-se em curso "a análise dos genótipos dos isolamentos efetuados".

"Com base na análise dos dados atualmente existente, o caso índex terá sido um doente do foro cirúrgico, com complicações pós-operatórios e com necessidade de vários esquemas de antibioterapia. A presença de ferida exsudativa potenciou as vias de transmissão", conclui.