Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Ministro tem de escolher entre a inspetora da Saúde e o presidente do INEM”

  • 333

José Carlos Carvalho

Bastonário da Ordem dos Médicos afirma que Paulo Macedo “só pode ser consequente” face à recomendação da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde para abrir um processo disciplinar ao responsável pela Emergência Médica

O ministro da Saúde, Paulo Macedo, fez saber esta quinta-feira que tem até meados do mês para tomar uma decisão sobre a eventual atuação disciplinar contra o presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), mas o bastonário da Ordem dos Médicos afirma não perceber onde está a dificuldade. “Não se entende a incapacidade do ministro em tomar uma decisão, quando há um relatório da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) a recomendar a abertura de um processo disciplinar”, diz José Manuel Silva.

O bastonário é taxativo: “O ministro tem de ser consequente, isto é, optar entre a inspetora-geral da Saúde e o presidente do INEM, que ambos nomeou”. A atuação da IGAS também não escapa à crítica. Na opinião de José Manuel Silva, “não temos uma Inspeção independente, pois é um departamento do Ministério da Saúde, a inspetora-geral é nomeada pelo ministro e é também o ministro que filtra a informação que deve ser mostrada à população”.

Ao Expresso, o bastonário disse ainda que a Ordem dos Médicos não vai atuar sobre o médico e presidente do INEM, Paulo Campos. “Não estamos perante uma questão de erro ou de negligência médica mas de conduta no âmbito de funções administrativas.” Paulo Campos é acusado pela IGAS de ter tido uma conduta passível de responsabilidade civil, criminal, disciplinar e financeira ao acionar um helicóptero para transferir uma doente do seu círculo pessoal do Hospital de Cascais para Abrantes. O caso remonta a janeiro deste ano.

O presidente do INEM não fala, para já, sobre o assunto. Paulo Campos esclarece apenas que “não pode pronunciar-se sobre conteúdos que desconhece oficialmente”.